Desencanto

Pesquisa CUT/Vox revela maior rejeição ao governo Bolsonaro e insatisfação com o país

Cem dias depois de receber a faixa presidencial de Michel Temer, e dar continuidade a suas reformas, Jair Bolsonaro passa a ter desaprovação acelerada

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Bolsonaro e Temer

Depois de receber faixa de seu sócio no golpe, Bolsonaro começa a ir para o mesmo caminho de Temer no quesito rejeição

São Paulo – Ao completar 100 dias de posse nesta quarta-feira (10), o governo de Jair Bolsonaro (PSL) apresenta ritmo acelerado de queda em sua popularidade. De acordo com pesquisa do Instituto Vox Populi, a pedido da CUT, chega a 30% a avaliação ruim ou péssimo, ante 26% os que consideram o governo bom ou ótimo. Para outros 39%, o desempenho é considerado regular – e 5% não souberam responder.

A pesquisa CUT-Vox já revelou também elevado nível de reprovação à proposta de reforma da Previdência. E, ainda, que é crescente entre os brasileiros o medo do desemprego (62%).

Em outro levantamento, a pesquisa CUT/Vox constatou alta de 46% para 70% no percentual de brasileiros insatisfeitos com o país, ante 28% que disseram estar satisfeitos. A insatisfação com o Brasil entre os que se declararam apoiadores de Bolsonaro é de 54% no total – sendo 44% insatisfeitos e 10% muito insatisfeitos. As informações completas e gráficos das pesquisas estão em textos de Tatiana Melim e Marize Muniz, do Portal CUT.

Depois do fracasso da reforma trabalhista em sua promessa de criar empregos, economistas argumentam também que uma reforma da previdência, por provocar queda na renda dos beneficiários, pode abalar a economia dos municípios e ampliar em 500 mil o contingente de desempregados por conta desse impacto.

Entre as propostas do governo mais reprovadas pela população estão a diminuição dos direitos trabalhistas, com 73% de reprovação; o fim do aumento real do salário mínimo, reprovado por 68% dos brasileiros; e a reforma da Previdência (65%).

“É impossível estar satisfeito com essa conjuntura, com a paralisia da economia. Alie a isso as propostas do governo Bolsonaro – todas tiram direitos sociais e trabalhistas da classe trabalhadora e beneficiam os empresários – e está criado o quadro de insatisfação”, diz o presidente da CUT, Vagner Freitas. “As pessoas estão perdendo as esperanças de uma recolocação, de um emprego decente, de uma vida melhor. Isso é o resultado dos cem dias de desgoverno Bolsonaro”, diz Vagner.

Logo após as eleições de outubro, 56% dos brasileiros acreditavam que suas vidas e a de suas famílias iriam melhorar. Após três meses de governo Bolsonaro, esse número despencou para 22%, de acordo com a pesquisa CUT/Vox Populi.

Metodologia

A pesquisa CUT-Vox Populi realizou, entre 1º e 3 de abril, 1.985 entrevistas pessoais e domiciliares, com brasileiros acima de 16 anos em 120 municípios de todos os estados e no Distrito Federal. A margem de erro é de 2,2%, estimada em um intervalo de confiança de 95%.