Você está aqui: Página Inicial / Política / 2018 / 07 / Para Requião, veto ao HC de Lula prova que Brasil vive 'Estado de exceção'

crise institucional

Para Requião, veto ao HC de Lula prova que Brasil vive 'Estado de exceção'

Senador lamenta falta de imparcialidade de juízes e critica: "São ativistas políticos infiltrados nas instituições"
por Redação RBA publicado 10/07/2018 16h07, última modificação 10/07/2018 16h13
Senador lamenta falta de imparcialidade de juízes e critica: "São ativistas políticos infiltrados nas instituições"
Geraldo Magela/Agência Senado
Roberto Requião

Requião acrescenta que, contra Lula, os operadores do Direito agem como inquisidores

São Paulo – Para o senador Roberto Requião (MDB-PR), o "conluio" entre o juiz Sérgio Moro, desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e a Polícia Federal que, por meio de manobras jurídicas, impediram a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é a 'prova que o Brasil está num Estado de exceção. "Eles são ativistas políticos infiltrados nas instituições. Os juízes se suportam na hermenêutica livre. Eles interpretam a lei a labor de sua visão ideológica. Estou indignado com o comportamento das instituições e da Polícia Federal. Os juízes do TRF4 e o Moro andaram muito mal", criticou.

Ele lembra, assim como o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que apenas o Ministério Público (MP) poderia se insurgir no caso. "O Sérgio Moro estava de férias em Portugal, não foi contra ele que o habeas corpus foi expedido. O Gebran Neto (relator da Lava Jato no TRF4) não tinha nada a ver com o caso, porque os recursos não são horizontais, são verticais. Só quem poderia interferir era o MP", explica o senador.

Requião acrescenta que, contra Lula, os operadores do Direito agem como inquisidores. "A impressão que tenho é que os nossos juízes são como Girolamo Savonarola. Eles são acusadores, fazem a sentença e mandam queimar na fogueira. É preciso lembrar que o Savonarola queimou muita gente na Inquisição, mas depois foi queimado na frente do Palazzo Vecchio, onde ele mesmo determinava as punições", conclui. 

Assista: