Home Política Câmara altera orçamento de Doria para 2018, mas áreas sociais mantêm queda
São Paulo

Câmara altera orçamento de Doria para 2018, mas áreas sociais mantêm queda

Vereadores aumentaram montante relativo às prefeituras regionais, à cultura e à habitação, mas total das áreas sociais para o próximo ano ainda é menor que o de 2017
Publicado por Rodrigo Gomes, da RBA
17:08
Compartilhar:   
André Bueno/CMSP
câmara

Vereadores aprovaram orçamento para 2018 já próximo da meia noite de hoje. Próxima votação é na semana que vem

São Paulo – A Câmara Municipal de São Paulo aprovou no fim da noite de ontem (6) o substitutivo ao Projeto de Lei (PL) 686/2017, elaborado sob relatoria do vereador Ricardo Nunes (PMDB), que define o orçamento da gestão do prefeito da capital paulista, João Doria (PSDB), para 2018. Embora tenha sido melhorado em algumas áreas, o montante direcionado às áreas sociais continua sendo inferior ao orçamento deste ano. As áreas mais afetadas são cultura, prefeituras regionais, habitação, assistência social, mobilidade e transportes. O corte total, que chegava a R$ 1,5 bilhão no projeto original de Doria, agora fica em torno de R$ 1 bilhão.

O orçamento das 32 prefeituras regionais foi o que teve o maior aumento: R$ 156,5 milhões, indo de R$ 1,094 bilhão na proposta original de Doria, para R$ 1,251 bilhão no substitutivo aprovado ontem em primeira votação. No entanto, o total ainda é inferior ao orçamento deste ano, que previa R$ 1,341 bilhão para as administrações regionais. O corte de aproximadamente R$ 90 milhões deve impactar ainda mais as ações de zeladoria e tapa buraco, já bastante deficitárias neste ano por conta dos contingenciamentos da atual gestão.

O aumento se deu em todas as unidades regionais, com alocações entre R$ 1,5 milhão – na prefeitura regional de Vila Mariana – até R$ 25 milhões, na prefeitura regional do M’ Boi Mirim. Mas o orçamento da Secretaria das Prefeituras Regionais foi reduzido de R$ 341 milhões para R$ 268 milhões, com o valor sendo distribuído nas regionais. Em 2017, o total orçado para a pasta foi de R$ 532 milhões.

Com ampla participação da comunidade artística, a cultura teve aumento de R$ 30 milhões no orçamento proposto para 2018 em relação à proposta original de Doria, totalizando R$ 466,9 milhões. No entanto, isso ainda significa uma queda de R$ 51,7 milhões em relação ao orçamento desse ano. Esta área sofreu um congelamento orçamentário de 47,5% no início deste ano. A verba foi sendo liberada ao longo de 2017, mas ainda ficaram contingenciados R$ 128 milhões na Cultura.

O relator justificou que havia uma expectativa de recursos na cultura que nunca poderiam ser alcançados e que agora o orçamento está mais próximo da realidade. “O Orçamento anterior para cultura é o que a gente chama de dinheiro imaginário, era de recursos federais que não vinham no orçamento em torno de R$ 7 bilhões e isso nunca acontecia. Então este orçamento de 2018 não tem essa ficção, ele trabalha com o recurso federal sim, mas que tenha a garantia da execução e as receitas do município. A impressão que dá é que diminui, na verdade passou a ser realista. Ou seja, tirou esse dinheiro fictício e coloca dentro da realidade mais plausível”, disse Nunes.

Na Autarquia Hospitalar Municipal, responsável pelos hospitais públicos municipais, permaneceu o corte de R$ 102,5 milhões. No orçamento geral da saúde, manteve-se o aumento de pouco mais de 1%, com incremento de R$ 2,7 milhões por parte dos vereadores da Comissão de Finanças. Assim, o total para o setor em 2018 será de R$ 8,141 bilhões.

Na Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, que agrega políticas de combate ao racismo e proteção das mulheres, houve aumento de R$ 5 milhões no orçamento, com a garantia de destinação de R$ 500 mil para cada Centro de Cidadania da Mulher. No entanto, no total o orçamento da pasta está sendo reduzido dos atuais R$ 254 milhões para R$ 90 milhões.

A secretaria da Habitação teria um corte de R$ 251 milhões na proposta original de Doria. Outra área com forte mobilização de movimentos sociais, a pasta teve um aporte de R$ 84,7 milhões definido pelos vereadores. Com isso, o total do setor será de R$ 579,5 milhões, ainda com significativa redução frente aos R$ 746,5 milhões do orçamento deste ano.

O orçamento de 2018 é de R$ 56,2 bilhões. A votação em primeiro turno teve 38 votos favoráveis e 11 contrários. Os parlamentares têm prazo de duas sessões ordinárias para propor emendas ao projeto, antes da segunda votação, que deve ocorrer na próxima semana.