impeachment

Aliados alertam sobre falso clima de ‘já ganhou’ por parte da oposição

Estratégia oposicionista de dizer que tem quase 400 votos pró-impeachment é rebatida. Base aliada consegue 186 assinaturas de apoio a Dilma – 14 a mais que o necessário para barrar afastamento

Lula Marques/ Agência PT
florence.jpg

Florence: ‘Temos trabalhado com a verdade, sem coação nem cerceamento da democracia e assim continuaremos’

Brasília – Depois de o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) falar ontem sobre a manipulação de números relativos ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff, hoje (14) foi a vez do líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), fazer o alerta sobre o que chamou de “golpe midiático”, orquestrado pela oposição, para criar um clima de ‘já ganhou’. Segundo ele, o intuito é dar a entender que existem 342 votos certos para aprovar o impeachment no domingo (17). “Isso não é verdade. Se eles tivessem estes 342 votos, teriam divulgado a lista com todos os nomes dos deputados que vão votar pelo impeachment”, enfatizou.

A preocupação também é destacada por vários integrantes da base, como Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Sílvio Costa (PTdoB-PE), que se dizem apreensivos com o fato de uma informação falsa ser divulgada como verdade. Florence afirmou que a suposta criação de um “clima de vitória antecipado”, tem, de acordo com ele, o apoio de determinados setores da mídia para influenciar os votos dos parlamentares, criando um efeito dominó nos posicionamentos por parte dos que ainda se dizem indecisos.

“É uma estratégia para reverter votos sobre a qual precisamos alertar e tomar cuidado. Não vamos cair nessa. Enquanto a oposição tem agido dessa forma, nós temos trabalhado com a verdade, sem coação nem cerceamento da democracia e assim continuaremos”, disse o líder.

“É um jogo pesado e muito óbvio no qual não vamos cair. O grupo golpista, percebendo que conseguimos convencer a população das ameaças aos dispositivos constitucionais, encontrou agora essa nova forma de golpe, dando a entender que há uma grande maioria na Casa favorável ao impeachment. A contagem dos votos vai mostrar qual será o placar de domingo”, afirmou Sílvio Costa.

186 assinaturas

Esta tarde, além do lançamento da chamada Frente Parlamentar Mista em Defesa da Democracia, que contou com 186 assinaturas de parlamentares em apoio ao governo – 14 a mais do que o número de votos necessários para barrar o impeachment – os deputados que foram constituintes em 1988 também divulgaram manifesto pela ordem democrática.

Benedita da Silva (PT-RJ), Paulo Paim (PT-RS) e os ex-deputados constituintes Paulo Ramos (hoje deputado estadual pelo Psol-RJ), Vivaldo Barbosa, Nelton Friedrich e Haroldo Saboia se uniram a outros parlamentares para divulgar o documento.

“Sabemos muito bem o que é uma ditadura neste país. A Constituição norteia as instituições e dá ao povo brasileiro a garantia de uma democracia plena. É em nome dessa democracia que estamos convocando todos para fazer essa defesa”, destacou Benedita.

De acordo com a deputada, é preciso reconhecer que, apesar de todas as dificuldades que o Brasil vem passando, o país conseguiu dar passos significativos. “Não podemos retroceder. Queremos segurança com democracia, e a democracia é não rasgar a Constituição”, acrescentou.

De toda forma, a votação é tida como difícil e nenhum analista político ou parlamentar com postura mais séria que converse em reservado com os jornalistas, aposta na vitória de um dos lados. O entendimento geral que tem sido observado entre os deputados e senadores é que tudo pode mudar em relação às posições de cada um até o último momento, por conta das negociações que seguem tanto do governo como da oposição com as várias bancadas.