Você está aqui: Página Inicial / Política / 2011 / 09 / Em público, Dilma chama atenção de Kassab por falta de creches em São Paulo

Em público, Dilma chama atenção de Kassab por falta de creches em São Paulo

por João Peres, da RBA publicado , última modificação 13/09/2011 19h09

Cerimônia em São Paulo em que Dilma anunciou parcerias com Alckmin e chamou atenção para metas não cumpridas por Kassab (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff aproveitou o evento desta terça-feira (13) no Palácio dos Bandeirantes para chamar a atenção publicamente do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (ex-DEM, a caminho do PSD), sobre a necessidade de fazer investimentos em creches. Faltam 147 mil vagas em creches, segundo a própria Secretaria Municipal de Educação.

Durante o discurso a respeito da liberação de recursos para o trecho Norte do Rodoanel, a presidenta fez questão de se dirigir a Kassab ao afirmar que o Ministério da Educação vai abrir um processo de seleção e de avaliação do atendimento de crianças em 136 municípios brasileiros. “Essa seleção indica São Paulo como uma das áreas com mais necessidade de creches, a cidade de São Paulo”, ponderou.

De acordo com levantamento da Rede Nossa São Paulo, que acompanha o cumprimento das metas estabelecidas por Kassab para sua gestão, o patamar relativo às creches está longe de ser atingido. O prefeito prometia, em 2009, ter 100% das crianças cadastradas em creches. Além disso, a ONG detectou que regiões de alta vulnerabilidade social não estão sendo atendidas a contento, com ritmo mais lento de execuções de obras e de cadastramento de entidades capacitadas a oferecer o serviço.

A presidenta pediu ainda a participação de Kassab na segunda fase do programa Minha Casa, Minha Vida, de concessão de crédito imobiliário para famílias de baixa e média renda. Dilma lembrou que existe na cidade uma grande dificuldade em encontrar terrenos para as construções. As construtoras indicam que o ritmo aquecido do mercado imobiliário torna cada vez mais difícil atender ao teto estabelecido pelo projeto.

Durante o governo Lula, chegou a haver críticas abertas do ex-presidente e do então assessor especial da Presidência, Gilberto Carvalho, hoje secretário-geral, à política habitacional de Kassab. Ao ouvir queixas de catadores de materiais recicláveis em relação ao prefeito em dezembro de 2010, Lula lamentou ter de receber todos os anos o mesmo quadro, cobrou publicamente de Kassab que tratasse com carinho os mais pobres e disparou:  "O problema do Brasil é que muita gente continua agindo como agia 20 anos atrás, sem se dar conta de que o país mudou".

Na ocasião, Carvalho arrematou, indicando que a fala de Lula se devia a uma certa impaciência pela inação do prefeito em tentar encontrar soluções, e completou que a mentalidade geral dos governantes brasileiros é de fazer desaparecer com quem provoque algum incômodo.

Na nova gestão, Kassab fez fortes gestos de aproximação ao Palácio do Planalto. Ele deixou o DEM para fundar o PSD, sigla que diz não ser “nem de direita, nem de esquerda, nem de centro”, e que não fará, a priori, oposição ao governo federal nem ao governo estadual. Nesta terça-feira (13), Kassab fez um enxuto discurso no qual ressaltou a importância da cooperação entre as diferentes esferas de governo.