Você está aqui: Página Inicial / Política / 2010 / 09 / Colunista da Veja admite: imprensa é partido de oposição no Brasil

Colunista da Veja admite: imprensa é partido de oposição no Brasil

por Maurício Thuswohl, especial para a Rede Brasil Atual publicado 24/09/2010 12h08, última modificação 24/09/2010 12h15

Rio de Janeiro - O colunista e blogueiro da revista Veja Reinaldo Azevedo afirmou que a imprensa se comporta como verdadeiro partido de oposição no país. A declaração ocorreu durante o debate "A Democracia Ameaçada – Restrições à Liberdade de Expressão", promovido pelo Instituto Millenium no Clube Militar da capital fluminense, na quinta-feira (23). Ele concordou, assim, com a crítica formulada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva no mesmo dia, que criticou a cobertura da mídia às eleições.

Azevedo fez críticas aos partidos políticos de oposição e surpreendentemente concordou com o principal cabo eleitoral de Dilma Rousseff (PT), candidata à Presidência da República. "O Lula, quando diz que a imprensa é o verdadeiro partido de oposição no Brasil, tem razão a sua maneira porque a oposição nesse tempo foi tão mixuruca, tão despolitizada e tão vagabunda que sobrou para a imprensa, não fazer oposição, mas defender o Artigo 5º da Constituição", sustentou. "Não é que exista uma imprensa de direita para um governo de esquerda”, disse.

 O debate contou tambem com a presença de Merval Pereira, da Rede Globo e Rodolfo Machado Moura, diretor de Assuntos Legais da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert). Diante de uma plateia predominantemente composta por militares da reserva, a tônica das exposições foi a necessidade de prudência e vigilância em relação a um eventual terceiro governo consecutivo de esquerda no Brasil.

As principais "ameaças" à democracia e à liberdade de imprensa apontadas pelos debatedores foram o terceiro Plano Nacional de Direitos Humanos (III PNDH), as mudanças na produção cultural e para as conferências setoriais realizadas pelo governo Lula (clique aqui para ler).

Azevedo afirmou ainda que "há risco de mexicanização" da política brasileira. “É evidente que se tem hoje no Brasil a contaminação do processo democrático por teses autoritárias. Se o PNDH for aprovado no governo Dilma, estará instaurada a ditadura no Brasil, é simples", sentenciou.

Uma das preocupações do jornalista é com a possibilidade de a base governista ser ampliada na Câmara dos Deputados e conquistada no Senado. "Ainda mais com um Congresso eventualmente encabrestado, e Lula não esconde que seu objetivo é fazer uma maioria no Senado porque foi o Senado que o impediu de fazer certas coisas. Em tese, ele pode conseguir o que quer, apesar de o PMDB ser muito contraditório", apostou.

O Instituto Millenium foi o organizador, em 1º de março deste ano, do 1º Fórum Democracia e Liberdade de Expressão, um encontro para debater temas semelhantes em São Paulo. Na ocasião, diferentes expoentes da mídia conservadora apresentaram acusações contra o governo Lula, o PT e outros atores sociais. O encontro, na visão de analistas, serviu para organizar a mídia para a cobertura das eleições.