Você está aqui: Página Inicial / Esportes / 2012 / 10 / Fifa e governo ameaçam tirar cidades com obras atrasadas da Copa das Confederações

Fifa e governo ameaçam tirar cidades com obras atrasadas da Copa das Confederações

por Redação da RBA publicado 16/10/2012 16h49, última modificação 16/10/2012 17h57

Obras de mobilidade urbana e infraestrutura são as maiores preocupações da Fifa (Michael Buholzer/ Reuters)

São Paulo – O secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Jérôme Valcke, colocou em dúvida a realização da Copa das Confederações de 2013 nas seis cidades-sede devido ao atraso nas obras dos estádios e de infraestrutura urbana. A declaração foi feita hoje (16), durante entrevista coletiva ao lado do ministro do Esporte, Aldo Rebelo, após vistoria no estádio Mineirão, em Belo Horizonte.

“Neste momento, não estamos no nível de ter seis estádios prontos para a Copa das Confederações”, disse Valcke. A Fifa estabeleceu novembro como limite para a decisão final sobre as sedes, dependendo do andamento dos preparativos nas cidades. O ministro do Esporte afirmou que se algum estádio não cumprir o cronograma será cortado da Copa das Confederações e afirmou que até o momento “nenhum” deles está pronto para a competição.

"Eu sou ainda mais rígido que o secretário-geral da Fifa. Nós não temos nenhum estádio pronto para a Copa das Confederações. Nós temos prazos. Aqueles que conseguirem cumprir os prazos serão sede. Aqueles que não conseguirem cumprir não serão", disse o ministro. A Copa das Confederações ocorrerá de 15 a 30 de junho de 2013.

O estádio de Recife foi considerado o mais atrasado para a competição do ano que vem. De acordo com a Odebrecht Infraestrutura, responsável pela obra, 64% da construção está concluída. Fortaleza e Belo Horizonte são as capitais com as obras mais avançadas, com mais de 80% já concluídas. Também são sedes da Copa das Confederações Brasília, Salvador e Rio de Janeiro.

Esta é a primeira inspeção de estádios que Valcke e Aldo fazem juntos desde que o responsável da Fifa pela Copa afirmou, em março, que o Brasil precisava de “um chute no traseiro” para apressar as obras da competição mundial. O governo brasileiro chegou a dizer que não o reconheceria mais como interlocutor da Fifa, mas a polêmica foi resolvida com um pedido de desculpas do dirigente.

Apesar dos atrasos, Valcke demonstrou alívio por ver as obras do Mineirão adiantadas. “É bom ver um estádio tão perto da conclusão. Já estamos falando sobre a colocação do gramado”, disse. A entrega da obra do Mineirão está prevista para 21 de dezembro.

Após a visita ao estádio, Valcke sobrevoou as obras viárias e de infraestrutura de Belo Horizonte. Em seguida, ele e o ministro do Esporte se reuniram com membros do governo de Minas Gerais e da prefeitura da capital para tratar sobre as obras de mobilidade urbana, que são as maiores preocupações da Fifa. De lá, a comitiva viaja a Porto Alegre para realizar a inspeção no estádio Beira Rio, marcada para amanhã (17).

Eduardo Paes

O ministro do Esporte rebateu as criticas do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), sobre o andamento das obras para a Copa de 2014, feita no último domingo (14). “O prefeito do Rio está muito desinformado. Se falou sobre o Rio, falou sem conhecimento de causa. Vamos ter o Rio para a Copa das Confederações e para a Copa do Mundo. Falou o que não devia sobre o que não sabia”, disse o ministro, durante a coletiva. 

“Ele, como qualquer cidadão brasileiro, tem o direito de criticar o andamento das obras da Copa, este é um país democrático. O prefeito está enganado sobre o andamento, inclusive no Rio de Janeiro”, acrescentou o ministro.

Paes havia dito que os organizadores da Copa do Mundo estavam “perdendo a oportunidade” de aproveitar o calendário de competições internacionais no país para “juntar esforços” e mostrar uma boa organização perante a opinião internacional. A afirmação foi feita durante um discurso na Assembleia da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP, na sigla em espanhol).