Home Cultura O afro-barroco de Mateus Aleluia conecta Angola e Bahia no álbum “Fogueira Doce”
Candomblé e filosofia

O afro-barroco de Mateus Aleluia conecta Angola e Bahia no álbum “Fogueira Doce”

Artista apresenta em seu segundo disco a influência de viver por mais de 20 anos na África
Publicado por Luciano Velleda, para a RBA
11:09
Compartilhar:   
Divulgação

“Este disco é o meu hoje, como eu penso. É uma releitura sobre os mesmos temas que traga no meu caminhar”, explica Mateus Aleluia

São Paulo — O cantor e compositor Mateus Aleluia é o convidado do programa Hora do Rango desta sexta-feira (13), a partir do meio-dia, na Rádio Brasil Atual. Integrante nas décadas de 1960 e 1970 do grupo de música popular brasileira Os Tincoãs, esse baiano de Cachoeira foi depois viver em Angola, onde permaneceu por mais de 20 anos realizando pesquisas culturais. Desde então, sua obra se caracteriza por temas da cultura afro-brasileira, do candomblé e da filosofia.

Violonista e percussionista, Mateus Aleluia lançou, em 2010, seu primeiro álbum solo, Cinco Sentidos. Em 2017 saiu o segundo, Fogueira Doce, produzido de maneira independente e estabelecendo a conexão Brasil e África. As 12 canções do disco estão baseadas no conceito afro-barroco desenvolvido e defendido pelo artista.

“Nunca nenhum processo meu é muito intelectualizado. Vem sempre pelo caminho da espontaneidade. Todo o meu processo de vida foi criado pela intuição. A natureza dirige”, explica Mateus Aleluia, cujo trabalho combina a maturidade, precisão e serenidade de uma vida dedicada ao trânsito físico e estético entre a Angola e a Bahia. “Este disco é o meu hoje, como eu penso. É uma releitura sobre os mesmos temas que trago no meu caminhar”, afirma.

Compositor e letrista sofisticado, Mateus Aleluia canta processos históricos e histórias do cotidiano, vai e volta de Luanda a Cachoeira e louva orixás e cores. Suas composições já foram gravadas nas vozes de Margareth Menezes, Carlinhos Brown, Thalma de Freitas, João Gilberto, entre outros.

O programa

Hora do Rango, apresentado por Colibri Vitta e premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA), recebe ao vivo, de segunda a sexta-feira, ao meio-dia, sempre um convidado diferente com algo de novo, inusitado ou histórico para dizer e cantar. Os melhores momentos da semana são compilados e reapresentados aos sábados e domingos, no mesmo horário.