Dilma propõe extensão da vigência da Zona Franca de Manaus por 50 anos

Lula e Dilma ganharam cocares de representantes de comunidades indígenas (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR) Brasília – Em viagem ao estado do Amazonas, a presidente Dilma Rousseff assinou nesta segunda-feira (24), […]

Lula e Dilma ganharam cocares de representantes de comunidades indígenas (Foto: Roberto Stuckert Filho/PR)

Brasília – Em viagem ao estado do Amazonas, a presidente Dilma Rousseff assinou nesta segunda-feira (24), em Manaus, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que prorroga por mais 50 anos a vigência da Zona Franca de Manaus. Além de prorrogar o prazo, a proposta, que precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado, amplia a zona franca para a região metropolitana da capital amazonense.

“O [ex-] presidente Lula, quando ela [a Zona Franca de Manaus] estava praticamente sendo enterrada pelos governos anteriores, prorrogou a primeira vez. Agora, damos continuidade a isso”, disse a presidenta que já havia anunciado a decisão de prorrogar o os incentivos, em setembro desse ano, em viagem à capital amazonense. De acordo com as regras atuais, os incentivos da zona franca vencem em 2023.

A assinatura ocorreu durante cerimônia de inauguração de uma ponte sobre o Rio Negro, ligando Manaus a Iranduba. A ponte tem 3.595 metros de comprimento. A obra teve um custo total de R$ 1 bilhão e levou quase quatro anos para ser concluída. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve ao lado de Dilma, na inauguração da ponte. Os dois chegaram a usar cocares, presente dado por comunidades indígenas do Amazonas.

 

Leia também

Últimas notícias