contra o reajuste

Polícia de Alckmin interrompe marcha à casa de Doria contra aumento de tarifas

Os manifestantes entregaram para coronel da PM, representando Doria, o troféu “catraquinha de ouro”, em uma sátira pelo fato de ele ter inovado no modelo de aumento no transporte público

Sato do Brasil/ Jornalistas Livres
Passe Livre

“Nós temos que lutar, temos que ir para a rua”, diz manifestante que foi ao ato com o filho

São Paulo – A Tropa de Choque impediu a marcha do Movimento Passe Livre (MPL) de chegar à casa do prefeito de São Paulo, João Doria, por volta de 20h desta quinta-feira (12). Centenas de manifestantes participaram do ato convocado pelo movimento para exigir a manutenção da decisão do Tribunal de Justiça, que revogou o reajuste nas integrações do sistema de transporte público. O ato terminaria na casa do prefeito, no Jardim Europa, zona oeste da cidade, porém, a Polícia impediu a chegada dos manifestantes até o local, “por motivo de segurança”, segundo entrevista de um oficial ao coletivo Jornalistas Livres.

A polícia atuou no cruzamento da avenida Rebouças com a rua Henrique Schaumann. Havia muitos policiais – dois ônibus com efetivos, mais as viaturas, motos da Rocam e um helicóptero Águia. A marcha desviou para avenida Brasil. Lá fecharam no cruzamento com a Praça Nossa Senhora do Brasil, onde ocorreu a dispersão. Mas, antes, em jogral, participantes do Passe Livre anunciaram novo ato para  próxima quinta-feira (19), às 17h, na Estação da Luz, no centro de São Paulo.”Iremos seguir lutando contra todos os aumentos de tarifa”, disseram. “A luta na região metropolitana também segue firme! Nenhum direito a menos, nenhum centavo a mais.” 

Os participantes do ato entregaram para o comandante da operação o troféu “catraquinha de ouro”, que seria entregue a Doria em uma sátira pelo fato de ele ter inovado no modelo de aumento no transporte público, que foi aplicado na integração entre ônibus e trens e Metrô, nos terminais e nos ônibus intermunicipais.

Nesta semana, a juíza da 15ª Vara da Fazenda, Simone Leme, determinou a suspensão do reajuste na tarifa de integração e nos ônibus intermunicipais das regiões metropolitanas de São Paulo, Baixada Santista, Vale do Paraíba, Campinas e Sorocaba. A juíza acatou o pedido de uma ação civil pública impetrada por movimentos sociais e pela bancada do PT na Assembleia Legislativa, entendendo que o aumento é indevido. O governador Geraldo Alckmin está recorrendo da decisão.

A concentração do ato, convocado pelo Movimento Passe Livre, começou às 17h na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista. Todas as vias até perto da rua Augusta permaneceram bloqueadas pela Polícia Militar. Manifestantes denunciavam que a polícia estava impedindo o direito de ir e vir dos participantes do ato e das pessoas que transitavam pelo local. O tráfego para carros permaneceu liberado.

Por volta das 18h30, os manifestantes fizeram um jogral afirmando que a redução da tarifa do transporte público é uma “luta de todos”, que deve ocorrer “todos os dias” e que os manifestantes permanecerão mobilizados nas ruas até a tarifa baixar em todas as cidades. Sem confronto com a polícia, os manifestantes deixaram a Paulista e seguiram pacificamente pela avenida Rebouças.

Depois de percorrer a Rebouças, os manifestantes entrariam na avenida Faria Lima e seguiriam pela avenida Europa, até a casa do prefeito, como foi acordado previamente com a PM. No entanto, na altura do cruzando com a avenida Henrique Schaumann, a polícia rompeu o acordo e encaminhou os manifestantes pela avenida Brasil. Eles se reuniram e concordaram com o novo trajeto: “mais uma vez a polícia não quer deixar a gente fazer o trajeto inicial do nosso ato”, disseram em jogral. “Nossa luta não se intimida pelos desmandos da Polícia Militar”. Os manifestantes foram impedidos pela polícia de chegar até a casa do prefeito, localizada na rua Colômbia. 

Durante todo o trajeto, o ato foi acompanhado por muitos policiais, que seguiram pelas laterais e não cercando os manifestantes, como já ocorreu em outros atos do Movimento Passe Livre. Os manifestantes gritavam palavras de ordem como “ô motorista, ô cobrador: me diz aí se o seu salário aumento”, “vem para a rua contra aumento”, “se o povo se unir a tarifa vai cair” e “se você paga não deveria, transporte não é mercadoria.”

Estudantes secundaristas, que nos últimos dois anos tem se mantido mobilizados contra retrocessos na educação propostos pelo governador Geraldo Alckmin e pelo presidente Michel Temer, também participam do ato. Os manifestantes denunciam que policiais não identificados estão filmando e fotografando os manifestantes.

Uma das participantes que se identificou apenas como Crissilda, seguiu durante boa parte do ato na linha de frente, acompanhada do filho, um estudante da capital paulista. “É um jeito da reivindica. Estou aqui pelo fora Temer, fora Doria e fora Alckmin. Eles não estão pensando na população. Nós temos que lutar, temos que ir para a rua”, disse em entrevista ao Jornalistas Livres.

Pela proposta de Alckmin, apoiada pelo prefeito, a tarifa na integração do ônibus com Metrô ou trem saltaria de R$ 5,92 para R$ 6,80. O Bilhete Único 24 horas com integração passaria de R$ 16 para R$ 20 e o Bilhete Único Mensal Integrado, de R$ 230 para R$ 300 por mês.