Ariovaldo Ramos

Nas eleições municipais, palco de espertalhões, a mentira atropelou a verdade

Se quem pusesse em risco a integridade das eleições municipais sofresse risco de cancelamento, esse expediente diminuiria. Mas Justiça Eleitoral foi omissa

Reprodução

Entramos no último mês do ano com pelo menos tries diferentes sensações. Uma, de que o ano passou rápido demais. Outra, de que quanto mais rápido acabar melhor. E também a sensação de que o ano não deveria acabar do jeito que está acabando. Num país cada vez pior, tivemos as eleições municipais. E, mais uma vez, vimos a mentira atropelar a verdade, diante da inércia da Justiça Eleitoral.

Se chapas que fomentassem a mentira dolosa, que pusesse em risco a integridade do processo eleitoral, corressem o risco de sofrer o cancelamento nestas eleições municipais, talvez o uso desse expediente diminuísse. Mas, como se sabe que a chance de ocorrer algo assim é diminuta. E por isso, o processo eleitoral se tornou palco de espertalhões.

Atingimos mil dias da morte de Marielle, mas nada foi esclarecido.

Dezenas de pedidos de impeachment do presidente da República continuaram desconsiderados, e o presidente da Câmara quer descumprir a Constituição.

O STF não anulou as sentenças, comprovadamente, injustas sofridas pelo cidadão Luiz Inácio Lula da Silva; mesmo diante de desfaçatez do juiz que o condenou, sem provas, e que, agora, trabalha em empresa que presta serviço a empresas condenadas por ele, com objetivo de recuperá-las.

A violência aos jovens negros não diminui, pelo contrário, coleciona, cada vez mais, vítimas fatais, como o do Beto em Porto Alegre.

Falta um tempinho…

Dessa vez, pelo menos, a reação contra a violência racista e contra o Carrefour, cujos prestadores de serviço perpetraram o assassinato, foi pronta e contundente; aguardamos que a lei seja cumprida e o alvará de funcionamento da loja seja suspenso.

O desmatamento da Amazônia e a destruição de outros biomas continuam crescendo, e nenhuma medida é tomada para conter essa devastação, com tudo o que ela ocasiona, principalmente, para os povos da floresta.

Continuo insistindo que os ataques dolosos ao meio-ambiente deveriam ser tratados como terrorismo ambiental; e que os biomas sob grave risco deveriam ser elevados à categoria de sujeitos de direito.

A pandemia recupera força, contudo, o desenvolvimento de vacinas com alto índice de eficiência tem sido anunciado, o que é alvissareiro.

E Trump começa o caminho da despedida…

Bem, 2020 ainda tem um tempinho para, quem sabe, alguma coisa boa ainda aconteça.

ariovaldo ramos

Assista também ao programa Daqui pra Frente, parceria da TVT com a Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito