Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2018 / 03 / 'Invisibilidade' dos negros no mercado de trabalho é tema de curso da CUT e UFABC

Racismo

'Invisibilidade' dos negros no mercado de trabalho é tema de curso da CUT e UFABC

Da escravidão à precarização, piores postos de trabalho são historicamente ocupados pelos negros. Apesar de serem a maioria da população, ocupam menos de 5% dos cargos executivos
por Redação RBA publicado 14/03/2018 10h20, última modificação 14/03/2018 10h57
Da escravidão à precarização, piores postos de trabalho são historicamente ocupados pelos negros. Apesar de serem a maioria da população, ocupam menos de 5% dos cargos executivos
reprodução/TVT
negros

No país que resiste em assumir o racismo, negros são praticamente invisíveis nos ambientes empresariais

São Paulo – Somando mais da metade dos brasileiros, a população negra ocupa espaço subalterno no mercado formal de trabalho do país. O legado dos 350 anos da escravidão, a libertação incompleta e a precarização das condições de trabalho a que negros e negras são submetidos compõem o tema de curso de extensão promovido pela Secretaria de Combate ao Racismo da CUT-SP, em parceria com a Universidade Federal do ABC (UFABC), que realizou a sua aula inaugural nesta terça-feira (13), em São Paulo. 

O curso de extensão sobre as desigualdades raciais no mundo do trabalho será ministrado pelo professor Ramatis Jacinto, autor de uma série de obras sobre o tema, entre elas o livro Transição e Exclusão – O Negro no Mercado de Trabalho em São Paulo Pós-Abolição – 1912/1920 (Nefertiti Editora, 226 págs.).

O primeiro tema abordado foi o legado científico e cultural dos africanos para a economia brasileira. "Se pegar períodos como, por exemplo, (os ciclos econômicos) do açúcar, depois a mineração, o café, a borracha, e mesmo a industrialização, a presença de trabalhadores negros foi fundamental. Nos 350 anos de escravidão quem construiu toda a riqueza do Brasil foram os trabalhadores negros", afirmou o professor à repórter Michelle Gomes, para o Seu Jornal, da TVT.

"A gente vive num país que diz que não se tem racismo. Temos 54% da população, mas não somos vistos nos meios de comunicação, no shopping você não vê os negros nas lojas. Quer dizer, a maioria dessa população é invisível", destacou a secretária de Combate ao Racismo da CUT-SP, Rosana Aparecida da Silva.

Segundo pesquisa do Instituto Ethos, os negros ocupam pouco mais de 6% dos cargos de gerência nas empresas, e menos de 5% no quadro executivo. Em alguns setores, a exclusão é ainda maior, como o bancário, por exemplo, em que os negros em cargos de chefia não chegam a 1%.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: