Você está aqui: Página Inicial / Política / 2017 / 02 / Flores para Marisa Letícia, que não conseguiu conhecer o delta do Parnaíba

lembranças

Flores para Marisa Letícia, que não conseguiu conhecer o delta do Parnaíba

Amigos de vida e companheiros de luta ressaltam natureza combativa da ex-primeira dama, que pretendia se afastar por alguns dias da tensão política, no Piauí, após o carnaval
por Vitor Nuzzi, da RBA publicado 04/02/2017 18h11, última modificação 05/02/2017 01h53
Amigos de vida e companheiros de luta ressaltam natureza combativa da ex-primeira dama, que pretendia se afastar por alguns dias da tensão política, no Piauí, após o carnaval
Roberto Parizzoti
Velorio_Marisa_Roberto_Parizzoti.jpg

Lula se despede da mulher, Marisa Letícia, com quem construiu toda sua trajetória de militância e luta

São Bernardo do Campo (SP) – Entre as muitas coroas de flores espalhadas pelo salão do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, podia-se ver nomes como o do cantor Zeca Pagodinho e outro assinada pela "família Racionais MCs". Na extensa e contínua fila de condolências, muitas mulheres deixam rosas brancas e vermelhas no caixão de Marisa Letícia.

"Eles são um casal muito amoroso, de muito companheirismo", comentava, pouco antes do início do velório, o ex-ministro Luiz Dulci, diretor do Instituto Lula, usando o verbo no presente. "Ele sempre dizia: 'Quero voltar, Marisa está me esperando'", lembrava Dulci. "Agora há pouco, a copeira do instituto estava dizendo que eles eram eternos namorados."

Segundo ele, nos últimos dias Lula estava abatido, mas de certa forma reconfortado com as mensagens recebidas, além de terços e oratórios. Outros ex-ministros, como Aloizio Mercadante, Gilberto Carvalho, Olívio Dutra, Alexandre Padilha, governadores, sindicalistas, antigos diretores do Sindicato dos Metalúrgicos e militantes lotaram a sede da entidade, em São Bernardo do Campo. 

"Neste momento, mais brasileiros estão tendo a oportunidade de conhecer mais a Marisa que liderou o movimento das mulheres,que não era apenas a esposa do Lula. Era uma das primeiras-damas mais discretas e ao mesmo tempo atuante", disse o governador do Piauí (PT), Wellington Dias, revelando que ele e sua mulher, Rejane, esperavam receber Marisa Letícia depois do carnaval, em uma praia conhecida como Barra Grande. "A gente já estava organizando onde ficar. Um sonho dela era conhecer o Delta do Parnaíba."

Para ele, a intensa pressão sofrida pela família nos últimos anos pode ter afetado a saúde da ex-primeira-dama. "Ela era normalmente uma pessoa tranquila, calma. Mas havia uma ofensiva muito grande, sofrimento, stress."

O presidente da CUT, Vagner Freitas, lembrou que Marisa esteve sempre "ombro a ombro" com Lula. "É a representação da mulher guerreira, brasileira."

"Não era sombra, era esteio", comentou a deputada Benedita da Silva (PT-RJ), ao lado do marido, o ator Antônio Pitanga. "Mulher do povo, pela sua simplicidade", disse a também deputada Luiza Erundina (Psol-SP).

Estavam ali integrantes de antigas diretorias dos metalúrgicos, como Djalma Bom, Nelson Campanholo,  Natal Cassemiro, João Ferreira Passos, o Bagaço, Alberto Eulálio, o Betão, o economista e ex-metalúrgico Osvaldo Cavignato, que criou a primeira subseção do Dieese no sindicato, e os ex-presidentes da CUT (e do sindicato) Jair Meneguelli e Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho.

"Era uma mulher que tinha a capacidade de entender as pessoas", disse Bagaço, ex-funcionário da Ford, recordando de jogos de buraco na casa de Lula e de momentos divertidos, como um baile de carnaval na sede do sindicato. Também lembrou da personalidade da ex-primeira-dama: "Ela não mandava recado, era direta". "Sempre alegre, nos recebia bem", recordou Natal, ex-funcionário da Volkswagen.

Lula e Marisa casaram-se em 23 de maio de 1974. O casal teve três filhos: Fábio (1975), Sandro (1978) e Luiz Claudio (1985). Lula tem uma filha, Lurian, de um relacionamento anterior. 

Ambos eram viúvos. Lula tinha perdido a primeira mulher, Maria de Lourdes, em 1971, enquanto Marisa ficou viúva de Marcos, assassinado, quando estava grávida – meses depois, nasceria Marcos Cláudio, que posteriormente ganharia, a pedido, a sobrenome Lula da Silva. Marcos fez aniversário justamente neste sábado. Completou 46 anos.