Você está aqui: Página Inicial / Cultura / 2017 / 01 / Exposição no Rio reúne obras inspiradas na convivência urbana

diversidade

Exposição no Rio reúne obras inspiradas na convivência urbana

Em Niterói, mostra Fronteiras e Impermanências traz seis artistas que refletem sobre espaços onde culturas diferentes colidem ou coexistem
por Paulo Virgílio, da Agência Brasil publicado 23/01/2017 10h21, última modificação 23/01/2017 11h59
Em Niterói, mostra Fronteiras e Impermanências traz seis artistas que refletem sobre espaços onde culturas diferentes colidem ou coexistem
divulgação/Espaço Cultural Correios
Fronteiras e Impermanências

"O traçado pode ser um risco no mapa, um muro ou uma ponte com sua abstração metafórica"

Rio de Janeiro – A proposta de lançar um olhar sobre a convivência com o diverso e sobre a interação entre grupos distintos no ambiente das grandes cidades levou seis artistas visuais atuantes no cenário carioca a se unirem para montar a exposição Fronteiras e Impermanências, que pode ser vista até o dia 11 de março, no Espaço Cultural Correios, em Niterói.

A mostra reúne trabalhos dos artistas José Luiz Schaefer, Marcelo Rezende, Margaret de Castro, Patrícia Tavares, Silvia Neves e Mário Camargo – que assina a curadoria da exposição. São cerca de 20 obras, entre pintura, colagem e fotografia, concebidas a partir de textos dos filósofos Gilles Deleuze (1925-1995) e Felix Guattari (1930-1992), segundo os quais “as tribos se organizam em territórios e criam identidades próprias que incluem ou excluem os indivíduos”.

Com poéticas próprias, os artistas trabalham em suas obras as fronteiras entre esses grupos como os espaços de contato onde culturas diferentes colidem ou coexistem e se influenciam. "A exposição retrata isso, mostrando a verdade de cada um, de cada artista, a respeito do momento em que vivemos. A convivência com o diverso é a marca da contemporaneidade”, ressalta o curador Mario Camargo.

Segundo ele, o público pode perceber essa convivência nas obras, que abrangem pinturas figurativas, abstratas, geométricas e também fotografias: “o traçado pode ser um risco no mapa, um muro ou uma ponte com sua abstração metafórica. É uma amostragem de tudo o que vemos dentro de uma fronteira”.

Fronteiras e Impermanências pode ser vista de segunda-feira a sábado, das 11h às 18h, com entrada franca. O Espaço Cultural Correios fica na Avenida Visconde do Rio Branco, 481, no centro de Niterói.