Vergonha internacional

Postura do Santander Brasil na pandemia é denunciada ao mundo pela ‘Bloomberg’

Agência de notícias relata retorno acelerado aos locais de trabalho; bancários denunciam meta para venda de maquininhas de cartão com riscos para todos

Pixabay
Em plena pandemia, Santander Brasil colocou funcionários das agências nas ruas para comercializar máquinas de cartão, com meta de três vendas ao dia

São Paulo – O Santander Brasil virou manchete de uma das maiores agências de notícias de economia do mundo, a Bloomberg. Mas o banco não tem razão para se orgulhar disso. Reportagem da última terça-feira (18) denuncia a estratégia adotada pelo banco espanhol no Brasil, de acelerar a volta do trabalho em seus departamentos. A medida, ressalta a reportagem da Bloomberg, coloca bancários e população em risco. E não está sendo adotada em nenhum lugar do mundo, nem por outros bancos brasileiros. “Em um país onde o número de infecções causadas pela covid-19 aumentou em 1 milhão apenas no mês passado, um dos seus maiores bancos promove retorno em massa ao escritório”, informa a agência.

Trabalhadores denunciam pressão no Santander: ‘Pior banco para se trabalhar’

Cerca de 60% dos funcionários administrativos do Santander Brasil deixaram o home office e retomaram o trabalho in loco. A Bloomberg explica, ainda, que os bancos concorrentes no país mantiveram a maioria dos bancários de escritório em casa. “O Santander adotou uma abordagem totalmente diferente do restante do setor bancário, que não tem pedido aos funcionários que voltem ao escritório”, critica a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva. A dirigente é uma das coordenadoras do Comando Nacional da categoria. Os trabalhadores estão em processo de negociação com a federação dos bancos para a campanha salarial deste ano. Regulamentar o teletrabalho é um dos temas da pauta de reivindicações.

Ainda é cedo

“A maioria dos grandes bancos dos Estados Unidos tem afirmado a investidores que ainda é muito cedo para oferecer um cronograma detalhado para retorno ao escritório”, compara a Bloomberg em sua reportagem sobre o Santander. “O Citigroup disse que é provável que menos da metade da força de trabalho retorne antes que uma vacina contra o coronavírus seja desenvolvida, enquanto o Bank of America tem menos de 15% dos funcionários trabalhando em escritórios”, informa em outro trecho.•

Contraf-CUT: Bloomberg mostra ao mundo o desrespeito do Santander com os brasileiros

“Mesmo em comparação com os rivais brasileiros, o Santander se destaca. O Itaú Unibanco informou que 97% de seus colaboradores da administração central, centrais de atendimento e agências digitais trabalham de forma remota. Com 55 mil pessoas habilitadas para home office, segundo uma apresentação de resultados. O banco anunciou na semana passada que adiará o retorno aos escritórios até janeiro”, continua a Bloomberg. Já o Bradesco, relata, mantém 94% dos funcionários da matriz e demais departamentos administrativos trabalhando remotamente.

Risco nas ruas

O retorno ao trabalho presencial no entanto, é apenas uma das medidas adotadas pelo Santander no Brasil que coloca em risco funcionários e população. O secretário de Assuntos Socioeconômicos da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Mario Raia, denuncia: na terça e quarta-feira (18 e 19), o banco colocou bancários das agências nas ruas para vender maquininhas de cartão.

“Cada gerente teria de vender três aparelhos a cada dia. Neste momento de pandemia, quando todas as atividades comerciais estão sofrendo restrição, esta ação do banco é uma afronta ao que as autoridades estão determinando. O banco deveria ser autuado e multado por ter colocado seus funcionários e a população em risco”, afirma o dirigente sindical. “Podemos aceitar que os bancários trabalhem em plena pandemia para realizar os serviços essenciais. Mas, qual é a essencialidade da venda de maquininhas de cartão de crédito?”, questiona.

Para denunciar o Santander Brasil, os bancários têm realizado atividades de protestos, projeções em prédios e mobilização nas redes sociais usando a hashtag #SantanderRespeiteOBrasil. O assunto já figurou, por mais de uma vez, entre os mais comentados nas redes sociais. “Tentamos negociar com o banco”, diz Raia. “Mas, infelizmente, a direção do Santander somente nos ouve quando conseguimos mostrar para a sociedade as barbaridades que cometem contra seus funcionários e contra a sociedade”, lamenta o dirigente sindical.

Com informações da Contraf-CUT

Redação RBA: Cláudia Motta