Home Trabalho Sindicato estima que greve geral parou 65 mil metalúrgicos no ABC
Fábricas paradas

Sindicato estima que greve geral parou 65 mil metalúrgicos no ABC

De acordo com entidade, movimento atingiu 98% das empresas nos quatro municípios da base, incluindo as montadoras
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
15:03
Compartilhar:   
Adonis Guerra/SMABC

Wagnão, Vagner, Sérgio Nobre, Marinho em porta de fábrica, hoje cedo: adesão à greve foi grande

São Paulo – O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que aproximadamente 65 mil trabalhadores pararam nesta sexta-feira (14), dia de greve geral contra a reforma da Previdência e por políticas para combater o desemprego, entre outras reivindicações. A mobilização  alcançou 98% das fábricas na base da entidade, que inclui as cidades de São Bernardo do Campo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Também pararam as cinco montadoras que operam na base do sindicato.

“Podemos afirmar com tranquilidade que a greve na nossa categoria foi um sucesso. É a demonstração da contrariedade da nossa base em relação a uma reforma que acaba com o direito a uma aposentadoria decente depois de décadas de trabalho duro”, afirmou o presidente da entidade, Wagner Santana, o Wagnão, que desde cedo percorreu empresas da base. Participaram das atividades o presidente e o secretário-geral da CUT, Vagner Freitas e Sérgio Nobre, além do presidente estadual do PT, o ex-ministro e ex-prefeito Luiz Marinho, que já comandou o sindicato e a central.

“O trabalhador tem o direito de conhecer a fundo uma proposta que atenta contra seus direitos”, disse Wagnão, lembrando que o sindicato organizou oficinas com técnicos do Dieese para que os metalúrgicos tirassem dúvidas sobre a proposta em tramitação no Congresso. “O governo está gastando milhões para fazer propaganda da reforma, era nossa obrigação mostrar o que a proposta é de verdade, apontar os detalhes que a propaganda esconde, o ataque que ela representa para quem está trabalhando hoje, para quem já se aposentou e para as próximas gerações.”

De acordo com o coordenador do comitê sindical dos trabalhadores na Mercedes-Benz, Max Pinho, a adesão à greve geral na região foi total. “A fábrica que deveria ter hoje 11 mil pessoas trabalhando, entre diretos e prestadores de serviços, ficou vazia. Estão todos em luta”, afirmou.

O mesmo aconteceu na Volkswagen, segundo o diretor-executivo do sindicato Wellington Damasceno. “Fábrica parada. Todos firmes na luta contra essa reforma que só retira direitos e não corrige injustiças. Pelo contrário, privilegia mais ainda quem já tem privilégios e tira de quem precisa do atendimento do Estado.”

A Volks de São Carlos, no interior paulista, também não funcionou, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos local. Segundo a entidade, um ato na avenida principal reuniu 6 mil pessoas, entre trabalhadores e estudantes.