impasse

Com mais recuos, governo adia leitura do relatório da reforma da Previdência

Senadoras e deputadas fizeram pressão pelo adiamento em busca de medidas de compensação. Presidente da comissão e relator ainda discutem o tema com a base do governo Temer

Lucio Bernardo Jr./Câmara dos Deputados
camara.jpg

Leitura do relatório na comissão da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados será feita amanhã (19)

São Paulo  – A comissão especial da Reforma da Previdência adiou para amanhã (19) a apresentação do parecer do relator, deputado Arthur Maia (PPS-BA). A leitura do texto estava prevista para hoje. A nova versão deve apresentar novo recuo do governo, autor da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287. O presidente da comissão, Carlos Marun (PMDB-MS), participou, na manhã desta terça-feira, de um café da manhã no Palácio da Alvorada com o presidente Michel Temer, ministros do governo e deputados da base aliada, para discutir o tema.

Há 10 dias, o governo já havia anunciado que faria mudanças na aposentadoria de trabalhadores rurais, nos benefícios de prestação continuada (BPC), nas pensões, na aposentadoria de professores e policiais e nas regras de transição para o novo regime previdenciário. Agora, a informação é de que o governo vai recuar na idade mínima para as mulheres, que passará a ser de 62 anos. No texto original, a idade mínima é de 65 anos para homens e mulheres.

Marun também disse ontem (17) que haveria mudanças na regra que exige contribuição por 49 anos para o cidadão ter direito ao valor integral da aposentadoria.

À RBA, o deputado Henrique Fontana (PT-RS) comentou que as eventuais alterações no texto da PEC 287 são “balões de ensaio” para tentar salvar a reforma. “Não sei o que é (a mudança sobre a regra dos 49 anos), mas acredito ser uma daquelas tentativas de balões de ensaio, que estão lançando com o objetivo de salvar a proposta da reforma da Previdência”, diz Fontana. “Isso porque a reforma está, digamos, pela bola sete. Pouca gente acredita que vai haver votação dessa reforma”, acrescenta.

Com os recuos, governo dá claros indicativos de que sabe que a reforma tem remotas chances de passar na Câmara dos Deputados. “A reforma da Previdência está derrotada, e o governo sabe disso”, disse o deputado Silvio Costa na semana passada.

Leia mais:

Com informações da Agência Câmara