situação se agrava

São Paulo endurece isolamento no interior. Capital está no limite da fase amarela

A região da Grande São Paulo está no limite de ocupações dos leitos de UTI para a imposição de mais isolamento, mas governo Doria vai esperar novos casos e mortes para endurecer isolamento

Governo de SP
Secretários lamentaram o caos em Manaus pela covid-19. Doria dispara contra Bolsonaro: "genocida"

São Paulo – Com números da pandemia cada vez mais graves, o governo do estado de São Paulo anunciou hoje (15) o endurecimento das medidas de combate à covid-19. Das 17 regiões do estado, dez passarão para a fase laranja do chamado Plano São Paulo. Outras seis ficarão na fase amarela e uma, na fase vermelha, de restrição máxima. A Grande São Paulo está entre as enquadradas na fase amarela, mesmo com forte aumento na ocupação dos leitos de UTI.

Seguem na fase amarela a Baixada Santista, a Grande São Paulo, Campinas, São João da Boa Vista, Araraquara e Barretos. Todas as regiões com ocupação acima de 60%. A Grande São Paulo está no limite da fase laranja, com 69% de ocupação de leitos. A regressão para a fase laranja ocorre ao atingir 70%, o que deve acontecer nos próximos dias, de acordo com previsão da própria Secretaria de Saúde de São Paulo.

A ocupação dos leitos de UTI avançou em todo o estado desde a última revisão, feita na segunda-feira (13). A taxa é utilizada como indicador para o governo endurecer ou afrouxar medidas de isolamento social. Avançaram para a fase laranja as regiões de: Araçatuba, São José do Rio Preto, Franca e Piracicaba. Marília segue na fase laranja, com mais de 80% dos leitos de UTI ocupados.

Entenda as fases do Plano São Paulo: Com a covid-19 em alta, Doria mantém medidas brandas de isolamento em São Paulo

No limite

As novas classificações passam a valer a partir de segunda-feira (18). Revisões podem ser feitas em qualquer dia, conforme o cenário se agravar ou amenizar. Questionada sobre o porquê de não regredir a região da Grande São Paulo hoje, já que está no limite e com tendência de piora, a secretária estadual do Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, disse que o governo se baseia em “métricas rígidas”, para explicar que só depois de novos casos e mortes é que uma decisão nesse sentido será tomada.

“A gestão do Plano SP segue regras claras. Vamos evitar futurologias. Antecipar sem dados concretos não seria seguir o plano. Se o crescimento se mantiver, vamos aplicar medidas mais restritivas. Na Grande São Paulo devemos ir para a laranja e podemos tomar medidas mais restritivas ainda. Estamos pedindo para reforçar os protocolos de distanciamento”, disse.

Além de Patrícia, participaram da coletiva o governador, João Doria (PSDB), o secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn, o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, o presidente do Instituto Butanta, Dimas Covas, e médicos do Centro de Contingência do Covid-19. Todos apelaram para os cidadãos para que fiquem em casa neste momento de maior gravidade da pandemia de covid-19.

Mapa de São Paulo com novas fases do isolamento social, de acordo com revisão do Plano São Paulo

Pior momento

O secretário da Saúde disse que “o mundo enfrenta a segunda onda de covid-19. Brasil e São Paulo também. Os índices que temos hoje são similares aos que tivemos no pico da pandemia na primeira onda. Dessa forma, desde novembro, já vínhamos observamos e fizemos considerações e recomendações para que cirurgias eletivas não fossem feitas, assim como progredimos de forma cautelosa reclassificações”.

Ele apresentou dados que revelam este como um dos piores momentos da pandemia até então. Jean culpou aglomerações de fim de ano pelo agravamento do cenário, e disse que a tendência por enquanto é de piora. “As aglomerações que vimos em todo o estado no fim do ano passaram a se revelar agora. Para se ter uma ideia, todos os índices da saúde, óbitos, internações e casos tiveram incremento significativo. Em casos, aumentamos 5% da semana passada. 2% nas mortes. E 10% nas internações. Chama a atenção essa escalada. Esse é um dado atual. Agora, as internações revelam a dinâmica da circulação do vírus.”

Os secretários também pediram por bom senso de empresários para que ajudem no isolamento social, seja estimulando o home office, como evitando reuniões em salas fechadas com muitas pessoas. “Pedimos a colaboração dos empresários e empresárias, de todos e todas para impedirmos o crescimento do novo coronavírus”, disse Patrícia. “A segunda onda está aí e precisamos fazer nossa parte”, completou.

Além das medidas do Plano São Paulo, que leva em conta grandes regiões para indicar o nível de isolamento, o governo pediu para que municípios dessas regiões que estiverem com esgotamento de leitos se antecipem. “São 43 municípios estão com capacidade de UTIs acima de 80% e recomendamos que os prefeitos sigam para a fase vermelha, independente da região”, disse o governador.

Recomendações do Centro de Contingência do Covid-19