ALAGOAS

Bolsonaro é recebido em Maceió com protesto em inauguração de obra já entregue

Centenas de pessoas foram às ruas de Maceió contra presença do presidente, que foi inaugurar viaduto que já está sendo usado pela população há quase meio ano

Ésio Melo
Manifestantes do MST, MTST e outros movimentos protestaram em diversos pontos da capital alagoana

São Paulo – O presidente Jair Bolsonaro foi recebido com protestos na cidade de Maceió nesta quinta (13), em agenda destinada a “inaugurar” obras que há tempos já estão sendo usadas pela população. Em Brasília, a visita foi vista por Renan Calheiros (MDB), senador pelo estado e relator da CPI da Covid, como “provocação” à comissão. Na capital alagoana, centenas de pessoas bloquearam vias de acesso ao aeroporto Zumbi dos Palmares. Movimento sociais levaram faixas com dizeres “Fora Bolsonaro” e “Genocida”. Os manifestantes ainda condenaram o presidente pelas centenas de milhares de mortes de brasileiros por conta da pandemia da covid-19.

“Viemos para denunciar a política genocida deste governo. Nosso povo está morrendo, já ultrapassamos a 425 mil mortes e estamos na rua para poder exigir vacina no braço para todos e todas, exigir que o povo tenha comida e possa viver dignamente. E para dizer que em terra de Zumbi, genocida não se cria”, disse Débora Nunes, da coordenação nacional do MST.

Ésio Melo
Bolsonaro recebido com protesto em Maceió (Ésio Melo)

Bolsonaro não estava usando máscara e causou aglomeração ao ser recebido por alguns poucos apoiadores. Andou de carro com a porta aberta, infração grave prevista no Código de Trânsito Brasileiro.

Engenheiro de obra pronta

Débora observou que Bolsonaro foi recebido com protestos em Maceió “para inaugurar obras que não foram feitas pelo seu governo”. A agenda do presidente incluiu inaugurar viaduto entre as rodovias BR-316 e BR-104 que já está em funcionamento desde dezembro de 2020. Bolsonaro iria, ainda, ao trecho 4 do Canal do Sertão, em São José da Tapera, que já beneficia mais de 43 mil habitantes desde 2018. O chamado Canal do Sertão tem como seus maiores financiadores os governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

O viaduto foi inaugurado pelo governador Renan Filho (MDB) em dezembro de 2020. Em Brasília, logo no início da sessão da CPI da Covid, o senador classificou a atitude do presidente como “uma evidente provocação a esta comissão parlamentar de inquérito”. A seguir, afirmou: “Minha resposta é essa aqui, esse número”, disse, chamando a atenção para sua placa de identificação na CPI. Nela, em vez de seu nome, estão os dizeres “428.256 vidas perdidas para Covid”.

Um dia antes, na quarta (12), ao final da conturbada sessão com o ex-secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) chamou Renan Calheiros de “vagabundo”.


Leia também


Últimas notícias