Sem resposta

Moro se cala ao ser questionado sobre Vaza Jato em seminário do Mackenzie

Em webinar promovido pela Universidade Mackenzie sobre “legados da Lava Jato”, ex-juiz ignorou participante que pedia explicações

Reprodução
Participante de webinar mostra cartaz depois de não conseguir fazer a pergunta a Moro. Em seguida é excluída pelos organizadores

São Paulo – Após inúmeras tentativas de fazer uma pergunta ao ex-juiz Sergio Moro, uma participante de webinar – seminário on-line – promovido pela Universidade Mackenzie virou notícia. Ela, que é jornalista, foi ignorada pelos organizadores do evento realizado na tarde dessa terça-feira (9). Ao mesmo tempo, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgava se a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continuará tendo acesso às mensagens trocadas entre Moro e os procuradores da Operação Lava Jato. Sem conseguir fazer a pergunta ao vivo, a jovem levantou um cartaz solicitando: “Moro, explica as mensagens da #VazaJato”. Moro se cala. Pelas redes sociais, ela soube do encontro que trataria de “lições e legados da Operação Lava Jato”. Decidiu participar, com o objetivo de questionar o ex-juiz Moro, que determinou a prisão de Lula em 2017 e se tornou ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, eleito em 2018.  

“Eu recebi o convite em um grupo e entrei. Achei que todo mundo poderia fazer perguntas, enfim, um webinar normal. Mas levantei a mão várias vezes e nada. O microfone não abria. E aí resolvi escrever esse questionamento e mostrar na câmera”, relata a participante à RBA. “Mas eu sabia que ele não iria responder. Vai falar o quê? ‘Fiz de tudo pra prender o Lula e eleger o Bolsonaro.’ Não vai”, afirma ela. “Então fiz o print para mostrar que o questionamento foi feito e ele tinha o direito de responder. Mas logo em seguida fui expulsa e não pude acompanhar até o final.”

Perguntar não ofende

A jornalista explica que gostaria de ouvir da boca do ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro o que ele tem para dizer sobre corrupção e sua influência, quando juiz em Curitiba, nos processos contra Lula. “Esperei a minha vez de perguntar, mas aparentemente as pessoas já estavam inscritas e não consegui fazer a pergunta que gostaria. Pensei que o jeito era levantar uma plaquinha pedindo uma explicação sobre essas mensagens escandalosas que estão sendo reveladas”, disse ao site da Fórum. “Não ofendi o juiz, só pedi uma explicação como pessoa que perdeu o seu direito de votar no Lula em 2018. Mas ele não deve ter explicações sobre isso, né?”

O webinar em que nem todos podiam fazer perguntas foi moderado pelo professor Samuel Mamede, do Mackenzie. Segundo a página de divulgação, Mamede é doutor em administração de empresas.