absurdos

Datena abre espaço para Bolsonaro repetir mentiras. ‘Panelaço pra quê?!’

Em dia de panelaço e de crescimento do coro por impeachment, Bolsonaro ataca vacinas, defende cloroquina. chama Doria de “calcinha apertada” e nega que tenha chamado covid de gripezinha

bolsonaro datena
Mesmo ao dizer várias vezes que não pode fazer nada sobre a covid-19 no Brasil, Bolsonaro disse que panelaços marcados para hoje (15) contra ele seriam "pelo bom trabalho feito em Manaus"

São Paulo – O presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao jornalista José Luiz Datena da TV Bandeirantes. Ele atacou vacinas, voltou a defender uso de cloroquina contra covid-19 e disse que “ninguém faria melhor que ele” no combate ao coronavírus. Chamou ainda o governador de São Paulo, João Doria (PSDB) – que momentos antes o classificara de “facínora” – de “babaca” e “calcinha apertada”. Taxou também profissionais da imprensa de “palhaços e babacas”. E mentiu algumas vezes: disse que o Supremo Tribunal Federal (STF) o “impediu de agir” no combate à covid-19 e que nunca chamou a covid-19 de “gripezinha“.

O programa de Datena abriu espaço para Bolsonaro em dia que movimentos de diversas correntes políticas estão convocando um panelaço às 20h30 desta sexta-feira (15).

O jornalista insinuou que Bolsonaro deveria ingressar com alguma possível ação contra Doria por tê-lo chamado de “facínora“.

Em São Paulo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-São Paulo), também fez duras críticas à condução da pandemia, à omissão do governo federal na crise em Manaus e à gestão da economia, citando a saída da Ford do país.

Bom trabalho

Mesmo ao dizer várias vezes que não pode fazer nada sobre a covid-19 no Brasil, Bolsonaro disse que panelaços marcados para hoje (15) contra ele seriam “pelo bom trabalho feito em Manaus”. A capital do Amazonas está em colapso há semanas em razão da covid-19. Falta oxigênio, faltam leitos, faltam covas para enterrar os mortos. Sobre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que “é um tremendo de um gestor. Trabalha 20 horas por dia. Esteve em Manaus, assumiu o comando. É um cara excepcional”.

Sobre a possibilidade de impeachment, cerca de 60 pedidos aguardam decisão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), Bolsonaro disse que “só Deus me tira daqui”. O presidente afirmou que não aceitaria um impeachment. “O inferno que querem impor na minha vida não vai colar. Só Deus me tira daqui. Me tirar na mão grande não vão. Querer inventar fake news pra me tirar daqui. Qual moral têm João Doria e Rodrigo Maia em falar de impeachment?”