Desmonte

Governo estuda adiamento do Enem 2021 para 2022 e é criticado por estudantes

Adiamentos do Enem 2021 para início do próximo ano é cogitado pelo MEC, mas ao longo do dia chegou a circular informação de que decisão já estaria tomada

Arquivo ABr
Ubes: "É quase 1 bilhão de cortes na rede federal, o anúncio de que não vai ter Enem em 2021... A crise na educação não é uma crise, é um projeto"

São Paulo – Entidades estudantis criticaram hoje (13) a proposta de adiamento do Enem 2021 para o início de 2022, medida que estaria em pelo governo de Jair Bolsonaro. No começo da tarde, circulou a informação de que o adiamento seria dado como certo. A presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE) declarou que a prova deste ano ficaria para o próximo. Mais tarde, a dirigente voltou atrás, alegando um mal entendido. O Exame Nacional do Ensino Médio é a principal porte de entrada para as universidades federais.

Ao G1, a assessoria de comunicação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), vinculado ao Ministério da Educação, negou que o presidente do órgão, Danilo Dupas Ribeiro tenha confirmado o adiamento do Enem 2021. Em áudio enviado ao portal, uma voz creditada ao presidente diz que o “Enem está em processo de planejamento”, que “não tinha como assinar algo e definir a data do Enem” e que “estamos engajados para que ocorra este ano”.

“Falta de tempo e orçamento são as justificativas do Inep para realizar o próximo Enem só em 2022. Sem diálogo nenhum com a gente. Por que tanta irresponsabilidade com estudantes? Será que não sabem a importância da educação pro avanço do Brasil?”, questionou a presidenta da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Rozana Barroso.

Enem em 2021

Para a Ubes, o estudante brasileiro não tem um dia de paz. “É quase 1 bilhão de cortes na rede federal, o anúncio de que não vai ter Enem em 2021… A crise na educação não é uma crise, é um projeto”, lembrou, citando o educador Darcy Ribeiro.

A União Paranaense dos Estudantes Secundaristas também fez manifestação semelhante. “A não aplicação do Enem não é por falta de verbas ou tempo! Esse é um projeto de desmonte da educação pública. Parem de atacar a educação brasileira”, declarou a entidade.

O presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Iago Montalvão, destacou o “misto de projeto de destruição com incompetência” do Ministério da Educação do governo de Jair Bolsonaro. “Tudo relacionado ao Enem vira uma grande confusão. O objetivo só pode ser prejudicar esse programa e o acesso à universidade. E a cabeça do estudante fica como?”, reclamou.

O professor da Faculdade de Educação da USP, Daniel Cara, também criticou. “A gestão bolsonarista do Enem comprova: o governo Bolsonaro sente ódio dos estudantes.”

Redação: Cida de Oliveira
Edição: Paulo Donizetti de Souza