Home Educação Procuradoria reage contra gasto irregular na educação de São Paulo
deturpação

Procuradoria reage contra gasto irregular na educação de São Paulo

Lei aprovada em dezembro retoma trecho de legislação de 2007 e autoriza continuidade da utilização de verbas da educação para pagamento de aposentadorias e pensões
Publicado por
18:59
Compartilhar:   
governo são paulo desvia verba educação

Legislação permite que o governo de São Paulo gaste menos com a educação e deixe alunos em péssimas condições

São Paulo – Um dia antes da Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestar favorável ao pedido de inconstitucionalidade da Lei Complementar 1.010, de 2007, que permite ao governo de São Paulo contabilizar como investimento em educação o pagamento de aposentadorias e pensões, o ex-governador Márcio França (PSB) sancionou uma nova lei que permite manter esse gasto irregular de verba das escolas públicas, que já consumiu ao menos R$ 71,9 bilhões. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) pediu à procuradora-geral, Raquel Dodge, que ingresse no Supremo Tribunal Federal (STF) com pedido de inconstitucionalidade contra a Lei Complementar 1.333, sancionada por França.

As duas normas permitem que o governo paulista contabilize como investimento em educação as aposentadorias e pensões pagas a servidores estaduais da área. A lei de 2007 está sendo questionada por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5719, aberta em junho de 2017. Após seis meses de análise, a PGR se manifestou pela inconstitucionalidade da Lei Complementar 1.010, no dia 18 de dezembro de 2018. No mesmo dia, o Diário Oficial do Estado de São Paulo trazia a sanção da Lei Complementar 1.333, proposta pelo deputado estadual Gilmar Gimenes (PSDB), que autoriza a continuidade da prática.

Para a procuradoria a nova lei fere os artigos 6º da Constituição Federal, que assegura o direito à educação, e 22º, que estabelece como competência privativa da União legislar sobre diretrizes e bases da educação nacional. A lei editada pelo governo de São Paulo também descumpre o dever de progressividade na concretização de direitos fundamentais. Na prática, a lei permite que o estado gaste em educação menos que os 25% da receita de impostos obrigatórios, segundo a Constituição Federal. E também abaixo dos 30% que determina a Constituição Estadual.

“Ao incluir despesas necessárias ao equilíbrio financeiro e atuarial do Regime Próprio de Previdência como se fossem em manutenção e desenvolvimento do ensino, a referida legislação burla o espírito da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e do art. 212 da Constituição da República, que trata do percentual mínimo a ser investido na manutenção e desenvolvimento do ensino”, destacou a procuradora Deborah Duprat. O pedido para que Raquel Dodge ingresse com ADI foi feito na sexta-feira (1º). A ADI 5719 está pronta para decisão do relator, ministro Edson Fachin.

Desde 2007, os sucessivos governos tucanos de José Serra (2007-2010) e Geraldo Alckmin (2011-2017) deixaram de investir R$ 71,9 bilhões na educação pública. Pelos dados do Sistema de Gerenciamento de Execução Orçamentária (Sigeo), o governo paulista deveria ter investido R$ 302 bilhões em educação nos últimos dez anos. Mas gastou R$ 230 bilhões. A diferença foi usada no pagamento de aposentadorias e pensões. Em 2017, foram aplicados R$ 35,5 bilhões para atender os 3,7 milhões de alunos e 244,9 mil profissionais nas 5,4 mil escolas estaduais. E R$ 7,9 bilhões deixaram de ser investidos.