Crise

Pandemia da covid-19 derrubou PIB de EUA, França e Espanha em 2020

A economia dos EUA e França teve sua maior queda desde a Segunda Guerra Mundial. Já a da Espanha foi a pior de sua história

Unidade Militar de Emergência/Fotos Públicas
Desinfecção em ruas na Espanha contra o coronavírus, que afetou seriamente a economia do país

São Paulo – A pandemia causada pelo novo coronavírus abalou seriamente a economia dos Estados Unidos, França e Espanha em 2020. Desde o fim da Segunda Guerra, o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos e da França não tinham um desempenho tão ruim. Já o da Espanha foi o pior da história.

No último ano do governo de Donald Trump, os Estados Unidos viram sua economia encolher 3,5%, apesar de alta de 4% no quarto trimestre. O índice ficou abaixo do esperado, que era entre 4,2% e 4,4%.

A queda econômica também é a primeira desde 2009 quando, com a enorme crise financeira, o PIB contraiu 2,5%. No entanto, segundo o Departamento de Comércio dos Estados Unidos, para este ano, a previsão é de uma retomada da economia, caso a vacinação consiga atingir seu objetivo.

Pandemia na França

O PIB da França caiu 8,3%, o que instaurou a maior recessão do país desde a Segunda Guerra Mundial. Mesmo assim, a taxa ficou abaixo dos 9% estimados pelo Instituto Nacional de Estatística francês e pelo Banco da França. O governo de Emmanuel Macron estimava contração de 11%.

O impacto menor que o esperado é devido à elevação do consumo das famílias em dezembro, antes das festas do final de ano, que aumentou 23% em dezembro, após queda de 18% em novembro. Com isso, o PIB francês caiu 1,3% no quarto trimestre, abaixo dos 4% estimados por analistas.

Espanha

O PIB espanhol caiu 11% em relação ao ano anterior, a pior queda já registrada na história, conforme o Instituto Nacional de Estatística. O impacto da covid-19 sobre a economia foi maior do que o da crise financeira global de 2009, quando a redução foi de 9%.

A economia da Espanha estava em colapso desde o início do ano passado, devido ao fechamento de todas as atividades não essenciais por duas semanas, em um dos lockdowns mais severos adotados até então. A economia só reagiu durante o verão do hemisfério norte. O impacto no turismo, com a segunda onda da pandemia e aumento no contágio, porém, puxou para baixo a economia espanhola.   

Redação: Cida de Oliveira

Com informações do Deutche Welle e agência Ansa