"Prévia"

Com energia em queda e alimentos e planos de saúde mais caros, inflação fica estável

Com resultado de 0,02%, “prévia” da inflação oficial soma 3,67% em 12 meses

© Webjet/Divulgação
Preços das passagens aéreas caíram em março, aponta o IBGE

São Paulo – Com preços de alimentos e planos de saúde, entre outros, em alta, e de energia e passagens áreas caindo, a “prévia” da inflação oficial ficou estável em março. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) variou 0,02%, menor resultado para o mês desde o início do Plano Real, de acordo com o IBGE. Segundo os resultados divulgados nesta quarta-feira (25), o índice soma 0,95% no ano e 3,67% em 12 meses.

O grupo Transporte caiu 0,80% e foi responsável pelo maior impacto no resultado do mês: -0,17 ponto percentual. Isso aconteceu, principalmente, pela redução do preço médio das passagens aéreas (-16,88%).

Os combustíveis também caíram neste mês (-1,19%), um pouco mais a gasolina (-1,18%) do que o etanol (-1,06%). Já os preços dos ônibus intermunicipais aumentaram 1,26%, em média, com reajustes no Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, enquanto o ônibus urbano variou 0,06%, com alta também na capital baiana. Com aumento no Rio, o trem teve aumento médio de 0,49%.

Outro grupo que caiu foi Habitação (-0,28%), principalmente pela queda de 1,30% na energia elétrica. O gás encanado teve leve alta, de 0,06%.

Já Saúde e Cuidados Pessoais subiu 0,84% no mês e teve impacto de 0,11 ponto no resultado do IPCA-15 de março. O IBGE apurou aumentos em itens de higiene pessoal (2,36%, 0,09 ponto) e planos de saúde (0,60%, 0,02 ponto). Também aumentaram os preços de perfumes e produtos para pele.

Depois de variar -0,10% em fevereiro, o grupo Alimentação e Bebidas subiu 0,35%. A alimentação no domicílio passou de -0,32% para 0,49%, com altas em produtos como cenoura (23,92%), ovo de galinha (5,10%) tomate (4,93%) e leite longa vida (1,37%). As carnes caíram 1,81%. Comer fora de casa subiu menos e ficou perto da estabilidade (0,03%).

Segundo o instituto, cinco das 11 regiões pesquisadas tiveram deflação. O menor índice foi apurado no município de Goiânia (-0,50%) e o maior, na região metropolitana de Fortaleza (0,44%). Na Grande São Paulo, o IPCA-15 variou -0,03%. No acumulado em 12 meses, a taxa varia de 2,41% (Rio) a 4,78% (Fortaleza).

IPCA e INPC

Normalmente divulgados no início do mês, o IPCA (taxa oficial de inflação no país) e o INPC (usado em acordos salariais) tiveram a colete de preços presencial suspensa, conforme aviso feito pelo IBGE no dia 18. O instituto informou estar seguindo orientações do Ministério da Saúde. “O IBGE segue estudando alternativas para a realização da pesquisa de modo que não envolvam a coleta de preços, presencialmente, nos locais de compra”, informou.


Leia também


Últimas notícias