No bolso

Mensalidades escolares e alimentos levam inflação para cima

IPCA teve a maior variação em seis meses. Taxa está acumulada em 3,89%

Reprodução
inflação

Apenas a batata inglesa teve alta de 25% no mês passado. Alimentos ‘puxaram’ custo de vida do brasileiro

São Paulo – O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) variou 0,43% em fevereiro, no maior resultado mensal em seis meses. Tanto em janeiro deste ano como em fevereiro do ano passado, a taxa oficial da inflação no país foi de 0,32%. Em 12 meses, o IPCA soma 3,89%, conforme resultados divulgados nesta terça-feira (12) pelo IBGE.

Os principais impactos vieram dos grupos Alimentação e Bebidas (alta de 0,78%, ante 0,90% em janeiro) e Educação (3,53%): 0,19 e 0,17 ponto percentual, respectivamente. No segundo caso, a variação reflete as mensalidades dos cursos regulares, com aumento médio de 4,58%, variando de 2,60% (Brasília) a 7,17% (região metropolitana de Aracaju). Apenas esse item representou impacto de 0,15 ponto no mês passado. 

Já o custo da alimentação no domicílio subiu 1,24%, com altas de vários produtos. Foram os casos, entre outros, de feijão carioca (51,58%), batata inglesa (25,21%), hortaliças (12,13%) e leite longa vida (2,41%). Caíram preços de itens como carnes (-1,23%), arroz (-1,23%), frango (-1,69%) e tomate (-5,95%). A alimentação fora do domicílio recuou 0,04%.

No grupo Habitação, que variou 0,38% em fevereiro, apenas a energia elétrica teve elevação de 1,14%, com impacto de 0,04 ponto na taxa mensal. Os resultados foram de -2,35% (Aracaju) a 14,99% (Rio Branco). Ainda nesse grupo, o gás encanado teve alta média de 4,11%, chegando a 10,64% na região metropolitana de São Paulo.

O IBGE apurou ainda aumento de 0,79% nos planos de saúde e de 0,74% em higiene pessoal. Isso levou o grupo Saúde e Cuidados Pessoais a uma alta de 0,49% no mês. 

Vestuário e Transportes tiveram deflação em fevereiro, de 0,33% e 0,34%, respectivamente. As principais influências vieram de calçados (-0,54%), roupas femininas (-0,56%), passagens aéreas (-16,65%) e gasolina (-1,26%). O custo médio do ônibus urbano aumentou 1,50% (impacto de 0,04 ponto), devido a reajustes nas tarifas em cinco das 16 regiões pesquisadas.

O menor resultado do IPCA foi apurado em Brasília (-0,18%) e o maior, em Rio Branco (1,12%). Na região metropolitana de São Paulo, passou de 0,37%, em janeiro, para 0,44%, somando 4,01% em 12 meses.

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) variou 0,54%, bem acima de janeiro (0,36%) e de fevereiro do ano passado (0,18%). A taxa em 12 meses agora está acumulada em 3,94%. 

Os produtos alimentícios subiram 0,94%, e os não alimentícios, 0,37%. No mês anterior, as altas foram de 0,90% e 0,13%.

 

Leia também

Últimas notícias