Home Economia Petrobras prepara saída do setor de fertilizantes
soberania sob ameaça

Petrobras prepara saída do setor de fertilizantes

Antes perto de conseguir autossuficiência na área, Brasil caminha para a dependência. Segmento tem impacto na produção de alimentos e de gás natural, e entrega pode encarecer produtos rapidamente
Publicado por Redação RBA
11:49
Compartilhar:   
farfen/arquivo
farfen petrobras

Unidades que serão concedidas inicialmente correspondem a 30% da produção nacional

São Paulo – A Petrobras iniciou nessa quinta-feira (10) o processo de arrendamento das fábricas de fertilizantes do Sergipe (Farfen-SE) e da Bahia (Farfen-BA). A estatal deixará de ter o controle de uma produção de 3.100 toneladas por dia de fertilizantes, que passará para as mãos de empresas privadas. Também serão arrendados os terminais marítimos no Porto de Aratu (BA), com capacidade de armazenagem e carregamento de 50 mil toneladas dos produtos.

Os números representam 30% de toda a produção brasileira. O país é o quarto maior consumidor de fertilizantes do mundo e, hoje, importa mais de 75% do que utiliza. Para a Federação Única dos Petroleiros (FUP), as concessões deixarão o país refém das variações de preços do mercado internacional, o que impacta negativamente na estratégia de produção e na soberania nacional.

“A saída da Petrobras do segmento de fertilizantes, além de comprometer a soberania alimentar, coloca o país na direção contrária de outras grandes nações agrícolas, cujos mercados de fertilizantes estão em expansão”, afirma a entidade. Os petroleiros temem que as medidas possam elevar em até 15% os preços dos produtos.

Perder o controle do setor pode impactar em outras áreas e encarecer toda uma cadeia produtiva e estratégica para o país, alerta a FUP. “O abandono do segmento torna o país dependente dos preços internacionais (…) A Petrobras é a grande produtora nacional de gás natural e, estrategicamente, deveria manter suas operações e investimentos no setor de fertilizantes para garantir o abastecimento e a estabilidade dos preços”, afirma.

A entrega de recursos estratégicos vai no sentido contrário das políticas que foram adotadas durante os governos dos anos 2000. “Os governos Lula e Dilma trabalharam para reduzir a dependência externa, através da implementação do Plano Nacional de Fertilizantes e da ampliação da participação da Petrobras no setor, com desenvolvimento de novas fábricas, como a Fafen Uberaba e a Fafen Mato Grosso do Sul, que chegou a ter 85% das obras concluídas, mas foi paralisada pela gestão de Pedro Parente.”

Parente, que foi presidente da empresa durante o governo de Michel Temer (MDB), já havia iniciado o processo de entrega do setor de fertilizantes. “Logo após o golpe que derrubou Dilma Rousseff, a empresa anunciou a venda das fábricas de Araucária e do Mato Grosso do Sul, cujas negociações foram suspensas no início de julho, após o Supremo conceder liminar proibindo a venda de empresas públicas sem autorização do Legislativo”, completa a FUP.

Agora, a empresa sob comando de Roberto Castello Branco, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), acelera o projeto do governo Temer e deixa o Brasil distante de uma autossuficiência no setor, que quase foi alcançada. “Se as novas plantas estivessem produzindo, a necessidade de importação de fertilizantes seria inferior a 10%. Ou seja, o Brasil passaria a ser praticamente autossuficiente com a perspectiva de se tornar o maior produtor mundial de alimentos. Agora, o país caminha para a total dependência do setor privado e das multinacionais”, completa a entidade.