Home Economia Um ano após reforma, recuperação do mercado de trabalho ficou na promessa
Emprego formal

Um ano após reforma, recuperação do mercado de trabalho ficou na promessa

Ministro esperava 2 milhões de vagas em dois anos, mas até agora saldo é de 518 mil, quase tudo no setor de serviços. E quem entra continua ganhando menos que os demitidos
Publicado por Redação RBA
Compartilhar:   
sind comerciários sp
mutirao do sindicato dos comerciarios.jpeg

Mutirão do Sindicato dos Comerciários de São Paulo, em agosto levou milhares à procura de emprego: dura realidade

São Paulo – Em novembro do ano passado, o então ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, declarou esperar a criação de 2 milhões de empregos em 2018 e 2019 com a aprovação da “reforma” trabalhista. Passado um ano, os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados hoje (20), mostram que essa previsão ficou distante da realidade. Em 12 meses, até novembro, o saldo – diferença entre contratações e demissões formais – é de 517.733, crescimento de 1,36% no estoque. As vagas concentram-se no setor de serviços: 400.189, 77% do total. 

Apenas no mês passado, o saldo do Caged foi de 58.664 (0,5%), com crescimento, basicamente, do setores de comércio (88.587) e serviços (34.319). O desempenho positivo não é incomum para o período, embora nos três anos anteriores os resultados tenham sido ruins – o deste ano foi o melhor novembro desde 2010. Indústria (-24.287), agropecuária (-23.692) e construção civil (-13.854) fecharam vagas.

No ano, de janeiro a novembro, foram criadas 858.415 vagas com carteira (2,27%). Mas o número final de 2018 será bem menor, porque historicamente dezembro é o mês com maior redução de postos de trabalho.

Como ocorre todos os meses, o salário de quem é contratado ficou abaixo do que ganhavam os demitidos. O rendimento médio de quem saiu, segundo o Caged, era de R$ 1.688,71, enquanto quem entrou no mercado passou a ganhar R$ 1.527,41.

O estoque atual é de 38.726.746, equivalente ao de novembro de 2016. Em igual período de 2014, era de 41,3 milhões. 

Nogueira dizia esperar a abertura de 2 milhões de vagas com regulamentação de contratos de teletrabalho e jornadas intermitente e parcial. “Nós temos a convicção que em 2018 e 2019, só com a regulamentação desses contratos, dessas pessoas que sairão da informalidade sendo recepcionadas por essa nova modalidade de contrato de trabalho, nós teremos a oportunidade de gerar aí 2 milhões de empregos formais no Brasil”, declarou o ex-ministro, que não conseguiu se reeleger deputado federal pelo PTB gaúcho.

Segundo o Caged, o trabalho intermitente teve saldo de 7.849 vagas em novembro, sendo 1.049 para assistentes de vendas. E o trabalho parcial garantiu 1.734 empregos, 652 para operador de caixa.