Home Economia Inadimplência cresce também entre trabalhadores de renda mais alta
Desdobramentos

Inadimplência cresce também entre trabalhadores de renda mais alta

Segundo informe de julho do SPC Brasil, são mais de 63 milhões de negativados, sendo 10,8% com ganho mensal acima de 10 salários mínimos. Professor da PUC afirma que bancos praticam 'verdadeira agiotagem'
Publicado por Redação RBA
10:07
Compartilhar:   
CC 2.0 Wikimedia
divida.jpg

São Paulo – O aumento da taxa de inadimplência entre a população brasileira, constatado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) no mês de julho não se restringe à parcela mais pobre do Brasil. De acordo com a empresa, 10,8% dos trabalhadores que recebem mais de 10 salários mínimos mensais estão com problemas para zerar suas dívidas. A falta de educação financeira e de planejamento explicam, em parte, o alcance da inadimplência a faixas de renda mais alta, acentuada, segundo a economista do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) Ione Amorim, pelo momento de crise econômica que atravessa o país.

TVT/ReproduçãoInadimplência
Especialista aponta falta de planejamento, educação, desemprego e queda na renda como fatores da inadimplência

Ainda assim, Ione afirma que esses fatores afetam, sobretudo, os mais pobres. “A concentração acaba acontecendo por esses outros fatores e pela falta de renda e desemprego”, declara a analista ao Seu Jornal, da TVT, acrescentando que, em função desses desdobramento da crise, as pessoas acabam recorrendo ao “cheque especial” e ao cartão de crédito. “Essas duas linhas de crédito são as que têm as taxas de juros mais elevadas”, critica a economista que vê a situação como uma forma de lucro do mercado financeiro.

Para o docente de Economia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Ladislau Dowbor, o setor financeiro do país pratica “verdadeira agiotagem”, inadmissível em países desenvolvidos. “No caso brasileiro, o Banco Central e o Ministério da Fazenda, controlados por banqueiros, ninguém tem controle sobre o processo”, contesta o professor, durante o 5° Congresso Internacional de Ciências do Trabalho, Meio Ambiente, Direito e Saúde, realizado na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), nesta terça-feira (28).

Assista à reportagem completa: