Você está aqui: Página Inicial / Economia / 2012 / 11 / Mantega diz que dólar está razoável, mas não satisfatório

Mantega diz que dólar está razoável, mas não satisfatório

Ministro da Fazenda afirmou em evento em São Paulo, hoje (23), que o país tem condições de crescer acima de 4% em 2013
por Daniela Ades, da Reuters publicado 23/11/2012 14h45, última modificação 23/11/2012 14h48
Ministro da Fazenda afirmou em evento em São Paulo, hoje (23), que o país tem condições de crescer acima de 4% em 2013

São Paulo – O dólar se encontra no Brasil em "condição razoável", mas não "satisfatória" para as necessidades da economia do país, disse hoje (23) o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em um momento em que o mercado discute se o governo vai permitir que a moeda seja negociada acima de R$ 2,10. "O câmbio está numa condição razoável, não ainda totalmente satisfatória, mas razoável", afirmou Mantega, acrescentando que as exportações de manufaturados já começaram a se recuperar, embora o cenário internacional esteja ruim.

"Nós só vamos ver isso quando houver uma melhora do cenário internacional, aí que esse câmbio vai mostrar sua eficiência", acrescentou ele para uma plateia de empresários em evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Logo após suas declarações, o dólar acelerou a alta, chegando à máxima de R$ 2,118 na venda. Pouco depois, no entanto, o Banco Central anunciou um leilão de swap cambial tradicional – que equivale a uma venda de dólares no mercado futuro –, fazendo com que a moeda norte-americana passasse a cair, voltando a ficar abaixo de R$ 2,10.

O dólar mais alto favorece sobretudo as exportações brasileiras e, desde meados deste ano, o governo tem trabalhado para que a moeda fique acima de R$ 2. Uma banda informal acabou sendo construída na percepção do mercado, entre R$ 2 e R$ 2,10.

O piso, pelo menos, foi explicitado pelo ministro nesta manhã. "Nós já temos quatro ou cinco meses com câmbio acima de dois reais, de modo que veio para ficar", disse. Mas o mercado começa a questionar a ponta de cima.

O presidente da CNI, Robson Andrade, disse que achou positiva a fala do ministro e que a competitividade da economia brasileira depende bastante do câmbio. "Isso é positivo. Agora, a gente sabe que o dólar é flutuante, disse Andrade, acrescentando que a moeda norte-americana deveria estar perto de R$ 2,50, levando em consideração o patamar de 2005.

Política expansionista

Mantega disse também que a inflação está sob controle, o que possibilita a continuidade de uma política monetária mais expansionista, diante de uma situação internacional que não deve melhorar em 2013.

Desde agosto de 2011, o BC fez sucessivas reduções na Selic, levando-a para o atual patamar de 7,25% ao ano, que deve permanecer até o final de 2013, segundo expectativa dos agentes econômicos.

Mantega afirmou ainda que a prioridade do governo é estimular o investimento e que, para 2013, a expectativa é de que este crescerá 8%. Para o ministro, o país tem condições de crescer acima de 4% ao ano. Ele acrescentou que, no terceiro e quarto trimestres deste ano, o avanço na margem será de cerca de 1,2% e 1,1%, respectivamente.

Mantega também defendeu a antecipação das concessões no setor de energia elétrica, que trará reduções nos preços das tarifas, como uma forma de diminuir os custos em toda a cadeia produtiva, incluindo serviços e comércio.