Home Cidades Mudança na sinalização do Metrô de São Paulo estava prevista para julho de 2011

Mudança na sinalização do Metrô de São Paulo estava prevista para julho de 2011

Publicado por raoniscan
17:39
Compartilhar:   

São Paulo – Correndo atrás do tempo para melhorar um sistema ultrapassado de sinalização do metrô, o governo do estado de São Paulo já deveria ter concluído toda a modernização nas linhas em julho do ano passado, segundo levantamento divulgado ontem (25) pela bancada do PT na Assembleia Legislativa.

As linhas 1-Azul, 3-Vermelha, e 2-Verde (parcialmente) utilizam atualmente o sistema Automatic Train Control (ATC), em vigência desde a construção do sistema. O novo sistema, chamado de Communications-based Train Control (CBTC), além de garantir mais segurança, diminuiria o intervalo dos trens nas estações, permitindo aumentar a capacidade de veículos em aproximadamente 20%.

O contrato para a implantação do sistema CBTC foi firmado entre o Metrô e a Alstom, em julho de 2008, e o prazo máximo para a finalização da modernização eram 36 meses, julho de 2011, portanto. 

O valor total do contrato (número 006/2008), contando com os adicionais futuros, previa a utilização de R$ 780 milhões na operação, entretanto foram utilizados somente R$ 270 milhões. Como nenhum adiamento do contrato foi encontrado, não é possível realizar o mapeamento do restante do recurso que deveria ser empenhado no metrô, conforme o documento.

Depois do acidente ocorrido neste mês, quando pelo menos 47 pessoas ficaram feridas, o governo tratou de acelerar o processo de modernização da sinalização, mas relatório divulgado pelo Metrô em 2011 mostrou que o Executivo estava em processo de substituição do ATC pelo CTBC, sem apresentar detalhes consistentes nem prazos. No relatório, eles ainda afirmaram que a modernização seria realizada com o mínimo de interferência na operação comercial.

Estudos da bancada petista mostraram que na linha azul, responsável por ligar as estações terminais Jabaquara e Tucuruvi, o tempo de passagem dos trens nas estações diminuiria de 121 segundos para 95, sendo possível inserir 37 novos veículos no trilho. A mudança abriria 8,8 mil novos lugares no interior dos trens.

No caso da linha verde, que conecta as estações Vila Madalena e Vila Prudente, novos 28 veículos poderiam ser disponibilizados, significando 2,2 mil novos lugares. Na linha Vermelha, que liga as regiões leste e oeste, a mais lotada de todo sistema, 92,4 mil novos lugares se abririam.

Os problemas no metrô podem ser explicados pela falta de investimento do governo estadual não somente na modernização da sinalização. Dos R$ 22,8 bilhões orçados nos últimos 16 anos para investimento no Metrô pelo executivo paulista foram utilizados apenas R$ 12,5 bilhões, resultando em uma “economia” de R$ 10,3 bilhões que poderiam ser gastos com o transporte metropolitano. Segundo o estudo da bancada do PT na Assembleia, não é possível também mapear o destino deste recurso não utilizado.

 

registrado em: , ,