Home Cidades MPF quer explicações sobre carga suspeita de radioatividade na Bahia

MPF quer explicações sobre carga suspeita de radioatividade na Bahia

Doze contêineres de conteúdo não informado foram recusados em Caetité e transferidos para Guanambi
Publicado por Redação da RBA
18:24
Compartilhar:   

São Paulo – O Ministério Público Federal (MPF) instaurou, nesta quinta-feira (19), inquérito civil público para apurar suspeitas de irregularidades na recepção, transporte e comercialização de carga radioativa nos municípios de Caetité e Guanambi, ambos na Bahia, a 750 quilômetros a oeste de Salvador, por parte das Indústrias Nucleares Brasileiras (INB). 

No domingo (15), a população de Caetité se mobilizou para impedir o recebimento de 12 contêineres de conteúdo não informado. As cargas foram então encaminhadas para a cidade de  Guanambi, onde os habitantes também desconfiaram do material. O prefeito Charles Fernandes (PP)  afirmou, em entrevista a Rede Brasil Atual, que o governo estadual deveria retirar o material em até 48 horas ou acionaria o Ministério Público. “Nós não temos nada a ver sobre de onde vem essa carga. Aqui é que não pode ficar”, disse.

O procurador da República Cláudio Gusmão encaminhou um ofício à INB na segunda-feira (16) requisitando informações sobre o material radiotivo. A Promotoria de Justiça da Comarca de Caetité (BA) e entidades da sociedade civil enviaram uma denúncia ao MPF demonstrando preocupação com a carga dos contêineres.

Em Brasília, o subprocurador-geral da República Mario José Gisi afirmou que vai apurar o caso. Mário Gisi garantiu a instauração de um inquérito para investigar aspectos relativos à legalidade do material, do transporte, da falta de transparência do processo e dos riscos associados à carga. O subprocurador também vai solicitar informações ao procurador de Guanambi sobre as condições de segurança do material e das carretas. Se requisitada a devolução, haverá um plano especial.

Não é a primeira vez que a população de Caetité tem contato com a INB, a estatal vinculada ao Ministério da Ciência e Tecnologia se estabeleceu na cidade em 1998 e estimou uma reserva de 100 mil toneladas de urânio. Um relatório do Greenpeace, de 2008, indicou que a água utilizada de alguns poços de Caetité está comprometida por contaminação radioativa.

 

registrado em: , ,