Home Cidadania Falta de credibilidade da mídia tradicional abre espaço para ‘fake news’
Desinformação

Falta de credibilidade da mídia tradicional abre espaço para ‘fake news’

Para especialistas, regulamentação favorece manipulação tanto pelos meios convencionais quanto por campanhas feitas à base de algoritmos de dados pessoais
Publicado por Felipe Mascari
12:45
Compartilhar:   
NIC/REPRODUÇÃO

Para Madeleine de Cock Buning, professora especialista em fake news, é preocupante o fato de o brasileiro não acreditar na imprensa

São Paulo – Em seminário realizado, em São Paulo, nesta quarta-feira (24), especialistas alertam para o crescimento das notícias falsas – as chamadas  fake news criadas e disseminadas na internet e que decidiram as eleições de 2018 –  e relacionam o fato com a perda de credibilidade da mídia tradicional e uma ausência de regulamentação.

As fake news são capazes de influenciar pessoas, eleições e até desestabilizar países. A divulgação de mentiras é antiga e até a imprensa tradicional faz isso com alguma frequência. A popularização da internet ainda facilitou a difusão da desinformação, diz Flávia Lefèvre, do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI).

“A gente tem plataformas e empresas que atuam na internet com o poder de abrangência e de controle do fluxo de informação muito grande. Ainda tem outro fator que é a utilização por algoritmos dos nossos dados pessoais, então, utilizando os nossos dados pessoais, empresas de marketing político podem identificar nichos de eleitores específicos e direcionar campanhas de desinformação, afirmou ao repórter Jô Miyagui, da TVT.

O problema é mundial, mas para a holandesa Madeleine de Cock Buning, professora especialista em fake news, é preocupante o fato de o brasileiro não acreditar na imprensa. “85% dos brasileiros não tem certeza se o que leem é confiável, isso pode ser uma indicação de falta de confiança na mídia”, alertou.

A jornalista Bia Barbosa, do coletivo Intervozes, acrescenta que a velha imprensa perdeu credibilidade porque não é plural. “Isso é um dado histórico do brasil, onde poucos grupos econômicos estão controlando a imensa variedade de meios de comunicação. A gente tem um quadro em que muitos brasileiros são influenciados e não se referenciando mais na imprensa tradicional, que também deve muito na questão da diversidade e pluralidade das informações.”

Outro problema atual é a chamada pós-verdade, cujos textos e discursos não tem compromisso com a verdade, mas com a interpretação pessoal de um fato, para que se possa manipular a realidade e a emoção das pessoas. Para Rafael Evangelista, pesquisador do Laboratório de Estudos Avançados de Jornalismo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a pós-verdade interfere perigosamente na democracia. “Você passa a não ter mais uma arena de discussão racional e parte para o campo emocional, do ódio e do ressentimento. É perigosíssimo para a democracia, porque é o campo onde fascismo se faz”, alerta.

Com as facilidades para criar fraudes e difundi-las pela internet, os participantes do seminário acham primordial criar regulamentações. “Aplicar o Código de Defesa do Consumidor e o Marco Civil da Internet, que protegem a privacidade e intimidade do consumidor, na qual essas plataformas não usem de uma forma abusiva e ilegal os nossos dados para manipular a formação de opinião”, acrescenta Flávia Lefèvre.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT