Home Cidadania Arrocho de Crivella na assistência social faz crescer população de rua do Rio
desumano

Arrocho de Crivella na assistência social faz crescer população de rua do Rio

Audiência pública na Câmara dos Vereadores carioca questiona gestão do prefeito, que cortou R$ 100 milhões do orçamento da pasta que provê acolhimento de vulneráveis
Publicado por Felipe Mascari
12:11
Compartilhar:   
TVT/REPRODUÇÃO

De acordo com entidade especializada, o número de pessoas passa dos 20 mil, na capital do Rio de Janeiro

São Paulo – Comissão especial da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro discutiu, nesta segunda-feira (25), o aumento da população de rua na capital e a falta de estrutura nos abrigos. Representantes das redes de atendimento, do Ministério Público e da Secretaria Municipal de Assistência Social criticaram a falta de empenho do prefeito Marcelo Crivella (PRB) para combater o problema.

Na audiência, foi questionada a atual política de acolhimento da gestão Crivella, que cortou R$ 100 milhões do orçamento da pasta. Os centros de atendimento ficam em bairros distantes e por isso mantém vagas ociosas. Dos três hotéis populares mantidos pela prefeitura, apenas um fica próximo do centro, na Central do Brasil. Entretanto, o prédio, sob a responsabilidade de uma empresa terceirizada, está com sérios problemas de manutenção.

“Abrigos grandes não têm condições ressocializar as pessoas. Os dados da prefeitura mostram que só 10% das pessoas saem para as suas casas e 90% voltam para a rua. A solução é criar pequenos abrigos espalhados pela cidade, com atendimento mais individualizado, garantindo melhor resultado”, afirma Marcelo da Costa, do Fórum da População em Situação de Rua, à TVT.

No último levantamento foram encontradas, em apenas um dia, cinco mil pessoas vivendo nas ruas e a maioria no centro do Rio de Janeiro. A pesquisa é de 2017 e, por falta de atualização nos dados, a prefeitura não sabe de onde vem, quem são essas pessoas e nem o tamanho dessa população de rua.

“O número de pessoas muito provavelmente passa dos 20 mil. A gente precisa de pesquisas sérias para confirmar isso. No atendimento diário, a gente percebe pessoas chegando à rua por conta do desemprego, isso é muito grande e está aumentando muito”, alerta Marcelo, à repórter  Carmen Célia.

O secretário de Assistência Social e Direitos Humanos, João Mendes de Jesus, diz reconhecer que o trabalho tem sido pouco eficiente nesses dois anos e meio de gestão, mas culpa a crise financeira. Diante da situação, os especialistas afirmam ser é urgente a regulamentação de um comitê com ampla participação da sociedade civil, para colher essas pessoas e criar oportunidades. “A gente precisa trabalhar a autonomia dessa pessoa, mas com acesso ao emprego e à habitação para poder seguir sua vida”, cobra Roberta Rosa, promotora do Ministério Público do RJ.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT