Invisibilidade

População em situação de rua poderá não ser recenseada pelo IBGE

De acordo com movimentos sociais, instituto deu prazo de 90 dias para avaliar a inclusão das pessoas que vivem nas ruas

TVT/Reprodução
Censo população de rua

Movimentos sociais defendem que censo da população de rua permitirá a formulação de políticas públicas mais efetivas

São Paulo – O IBGE poderá deixar mais uma vez de fora as informações sobre o número de pessoas em situação de rua no Censo Demográfico de 2020. Diante dessa possibilidade, o Movimento Nacional de População de Rua cobrou explicações do instituto público que, por meio de uma carta, informou avaliar alguns estudos para chegar a uma decisão em até 90 dias.

Esta é uma antiga reivindicação de diversas entidades de direitos humanos que afirmam a necessidade do levantamento para a elaboração e execução de políticas públicas. As únicas estimativas oficiais que existem foram registradas em 2016 pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que calculou serem mais 101 mil as pessoas em situação de rua no Brasil.

De acordo com representantes dos movimentos sociais, que lamentaram a falta de dados sobre esse segmento da população, é preciso que o IBGE adapte suas metodologias dialogando com o trabalho das universidades e dos ativistas do setor. “Enquanto esses dados não chegam, a gente tem que começar a exigir do governo a implementação ou implantação de políticas estruturantes para a população de rua”, sugere a integrante do Núcleo de Defesa dos Direitos da População em Situação de Rua Nina Laurindo.

Assista à reportagem de Leandro Chaves: