Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2018 / 06 / Exposição sobre Dom Paulo sofre ameaça: 'Não vão nos impedir'

Democracia

Exposição sobre Dom Paulo sofre ameaça: 'Não vão nos impedir'

Defensores de "intervenção militar" foram até a Assembleia Legislativa paulista, onde era realizado ato solene para divulgar o evento
por Redação RBA publicado 27/06/2018 18h14
Defensores de "intervenção militar" foram até a Assembleia Legislativa paulista, onde era realizado ato solene para divulgar o evento
Luciney Martins/o São Paulo
dom_paulo_arns_arquivo abr.jpeg

Dom Paulo e seu legado: ocupação será realizada no Centro Cultural dos Correios, região central da capital paulista

São Paulo – Os responsáveis pela exposição sobre Dom Paulo Evaristo Arns, que será inaugurada em 14 de julho, em São Paulo, registraram nesta quarta-feira (27) boletim de ocorrência diante de ameaça ocorrida ontem durante ato na Assembleia Legislativa. Segundo eles, um grupo de pessoas, defensoras de uma "intervenção militar", chegou a afirmar que a exposição "não vai durar três dias".

A "Ocupação Dom Paulo Evaristo Arns" será realizada no Centro Cultural dos Correios, região central da capital paulista, de 14 de julho a 16 de setembro. Ontem, para divulgar o evento, foi realizado ato solene na Assembleia, organizado pelo deputado Carlos Giannazi (Psol) e com a presença dos vereadores Toninho Vespoli (Psol) e Eduardo Suplicy (PT), entre outros. Nenhum manifestante foi identificado.

Dom Paulo"Diante de algumas manifestações que defendem a volta de um regime autoritário, que traz consigo os desmandos que já assistimos recentemente na história do Brasil, não podemos deixar de nos indignar com tamanha violência", afirmam os coordenadores e curadores da exposição. A nota é assinada pelas jornalistas Evanize Sydow e Marilda Ferri, autoras da biografia Dom Paulo – Um homem amado e perseguido (Expressão Popular), relançado em 2017, e por Paulo Pedrini, da Pastoral Operária.

"Nenhum ato de violência nos impedirá de levar adiante o legado de dom Paulo. Coragem! Esperança sempre!", acrescentam, citando expressões usadas pelo religioso, que morreu em dezembro de 2016.

Eles afirmam ainda que a ocupação "é um ato de coragem e resistência, que envolve uma equipe de mais de 60 pessoas trabalhando dia e noite para que o evento seja uma oportunidade de apresentar, especialmente para jovens, de forma lúdica e interativa, conceitos importantes para qualquer sociedade: o respeito à democracia e aos direitos humanos, que tanto dom Paulo defendeu".

Leia mais: