Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2018 / 06 / Em São Paulo, casos de estupro têm alta pelo oitavo mês consecutivo

Violência contra as mulheres

Em São Paulo, casos de estupro têm alta pelo oitavo mês consecutivo

Aumento é apontada devido ao crescimento de denúncias, enraizamento da cultura do estupro e desestruturação dos serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual
por Redação RBA publicado 28/06/2018 11h21, última modificação 28/06/2018 12h21
Aumento é apontada devido ao crescimento de denúncias, enraizamento da cultura do estupro e desestruturação dos serviços de atendimento às mulheres vítimas de violência sexual
Arquivo EBC/Reprodução
Casos de estupros aumentam

Mês de maio deste ano mostrou aumento de 10% dos casos de estupros em São Paulo, em relação ao mesmo período de 2017

São Paulo – De um lado, especialistas apontam o machismo e o sexismo e o desmonte no serviço de atendimento às mulheres vítimas da violência sexual. De outro, autoridades defendem que o aumento de denúncias é o que justifica o crescimento, no estado de São Paulo dos casos de estupros, pelo oitavo mês consecutivo. Só em maio, a alta atingiu 10% a mais com relação a igual período do ano passado.

De acordo com balanço produzido pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), foram registrados em maio do ano passado 943 casos de ataques sexuais, mas em maio último o número foi de 1.036 denúncias. A alta é ainda maior na comparação anual: nos primeiros cinco meses de 2018 foram registrados 5.212 casos, ante 4.485 notificações em igual período de 2017.

“A gente vê na sociedade um aumento da violência, de posições bastante misóginas e discriminatórias em relação às mulheres. A gente tem parlamentares ameaçando de estupro em plena Câmara Federal. O que parece que é um crescimento da cultura do estupro”, analisa Dulce Xavier, da Frente Regional do ABC de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher.

A especialista e feminista ainda alerta para o desmonte nos aparelhos de proteção às mulheres pelo Estado: “Muitos serviços têm dificuldade de oferecer o atendimento que está previsto na lei”. Segundo ela, o combate à cultura machista precisa desde o início ser viabilizado por meio da escola.

Assista à reportagem completa: