passeata

Sem-teto caminham até a prefeitura de São Bernardo para exigir moradia

Integrantes da ocupação Povo Sem Medo querem que ao menos uma parte do terreno seja destinada à programas de habitação social

Lucas Duarte de Souza

Integrantes do MTST foram da ocupação Povo Sem Medo até a prefeitura para exigir intermediação

São Paulo – Integrantes da ocupação Povo Sem Medo de São Bernardo do Campo fizeram nesta quarta-feira (13) uma passeada até à prefeitura para reivindicar que a gestão municipal atue como intermediadora junto à empresa dona do terreno ocupado. Eles exigem que ao menos uma parte do terreno de 60 mil metros quadrados – e sem uso há 40 anos – seja destinada à moradia social. 

Uma comissão do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) foi recebida pelo prefeito Orlando Morando (PSDB), que ressaltou que a gestão municipal tem atualmente 1.980 cadastradas que recebem auxílio aluguel. O MTST espera aprofundar o diálogo.

“O que estamos indo cobrar é que o prefeito tome um posicionamento, que não seja ficar defendendo despejo, mas que seja um posicionamento de discutir a situação habitacional das famílias e ajudar a construir uma solução em que as pessoas tenham moradia”, disse o coordenador nacional do MTST, Guilherme Boulous. 

São Bernardo é o município da região do ABC, na grande São Paulo, que registra o maior déficit habitacional, com 90 mil famílias sem moradia. Em toda a região, são 230 mil famílias sem teto.  

ocupação Povo Sem Medo começou com 500 famílias, no último dia 2. Hoje são mais de 6 mil famílias cadastradas. São pessoas que moravam em áreas de risco ou, simplesmente, que não têm condições de pagar um aluguel. 

“A gente dorme nos barracos. A gente tem toda uma estrutura de limpeza e organização para que não vire bagunça, que é o que todo mundo pensa que é, e, na verdade, não é”, conta Marcela Fernanda, que está desempregada. 

“A gente se organiza. A gente tem cozinhas coletivas aonde todo mundo possa se alimentar. É água trazida nas costas. A gente se vira como pode, mas a solidariedade aqui reina”, afirma Maria das Dores, uma das coordenadoras da ocupação.

 

reprodução/TVT
Mais de 6 mil famílias ocupam terreno de 60 mil metros que estava sem uso há 40 anos em São Bernardo do Campo

Com informações da reportagem da TVT

Leia também

Últimas notícias