altivos

Festival Trans na zona sul de SP debate o que é ser LGBT na periferia

Programação que envolve temas LGBT, toda gratuita, apresenta espetáculos teatrais e de dança, além de oficinas e documentários, entre hoje e o próximo dia 28, no Grajaú

proacsp/#periferiatrans/divulgação
trans.jpg

Um dos cartazes que promovem festival Periferia Trans, que começa nesta sexta, no Grajaú (SP)

São Paulo – Começa hoje (6) e vai até o próximo dia 28 o 1º Festival Periferia Trans, que ocupará dois espaços culturais na zona sul da capital paulista com apresentações de teatro, música, dança e debates, tendo como tema principal o dia a dia e o que significa ser lésbica, gay, bissexual ou transexual (LGBT) fora do centro da cidade. Toda a programação é gratuita.

Para os organizadores do evento, que conta com incentivo do Programa de Ação Cultural LGBT (Proac-LGBT), o festival abre espaço para juntar essa população nas periferias e possibilitar a articulação de uma pauta própria. “A gente sempre tem que ir para o centro para participar da luta LGBT. Como estamos em uma companhia de teatro instalada aqui, decidimos trazer esse debate para cá. Não como catequizadores, mas para potencializar o que já acontece. Para a gente estar junto”, afirma o ator Bruno César Lopes, da Cia. Humbalada, um dos idealizadores do festival.

Entre as atrações, estão grupos e artistas com atuação no centro e na periferia. “Fomos conversando com amigos para saber o que a dança e o teatro estavam debatendo sobre a questão LGBT para montar a programação”, explica Bruno.

Apesar do fortalecimento da visão conservadora de certas igrejas, o que tem peso maior nas periferias, onde está concentrado o maior número de templos, a juventude LGBT tem conquistado o direito a espaços para expor personalidades e afetividades, não só em tradicionais circuitos centrais da cidade, como o Largo do Arouche e as ruas Frei Caneca e Augusta, mas também em suas “quebradas”. Apesar das diferentes formas de manifestação contra a opressão “homolestransfóbica”, a pauta ainda é tocada a partir do Centro.

A abertura, que ocorre hoje (6), a partir das 21h, fica por conta do show da MC Luana Hansen, que pauta a presença da mulher no Hip Hop. “Acho que, se vierem mais mulheres tomando a frente da coisa, a gente com certeza vai mudar um pouco a cara do rap”, disse a artista, para o site Periferia em Movimento.

Amanhã é a vez do Grupo Os Crespos, que apresentará a peça Cartas à Madame Satã. A peça esteve em cartaz no ano passado em importantes salas de teatro da cidade e debate a sexualidade e afetividade do negro. Na peça, a personagem do ator Sidney Santiago Kuanza se corresponde com Madame Satã, personagem dos becos da Lapa carioca da primeira metade do século 20.

No dia 19, a educadora Paula Beatriz participa do debate “Por uma Pedagogia Sexual”. Paula é uma mulher trans e diretora de uma escola no Capão Redondo, zona sul.

As apresentações ocorrem na Fábrica de Criatividade, no Capão Redondo, e na sede da Cia. Humbalada, próxima ao Terminal Grajaú, onde também há espetáculos programados. “Estamos nessa região há dez anos. Nunca sofremos nenhum tipo de repressão, mas também nunca tivemos nenhum tipo de aceitação. Agora, estou curioso para saber como será a recepção das apresentações que vão acontecer na rua”, afirma Bruno.

 

Confira os detalhes da programação.

Show MC Luana Hansen
Quando:
Sexta-feira (6), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada – Av. Grande São Paulo, 282 – três minutos a pé da estação de trem Grajaú da Linha 9-Esmeralda da CPTM – Extremo Sul de São Paulo
Classificação: Livre

Peça de teatro Cartas à Madame Satã ou me desespero sem notícias suas
Quando: Sábado (7), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 16 anos

Peça de teatro Pau Nu Ku
Quando: Terça-feira (10), às 20h
Onde: Fábrica de Criatividade
Classificação: 18 anos

Oficina de Filosofia: “Por um corpo obsceno”, com Brunno Almeida
Quando: Quartas-feiras (11, 18 e 25), das 19h às 22h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Inscrições on-line. 20 vagas

Peça de teatro Como sempre somos motivo de chacota
Quando: Quinta-feira (12), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 14 anos

Espetáculo de dança Jandira
Quando: Sexta (13), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 18 anos

Documentário De gravata e unha vermelha, seguido de bate-papo com diretora Miriam Chnaiderman
Quando: Sábado (14), às 15h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 16 anos

Peça de teatro Como sempre somos motivos de chacota
Quando: Terça (17), às 20h
Onde: Fábrica de Criatividade – R. Dr. Luis da Fonseca Galvão, 248 – Próximo à estação Capão Redondo da Linha 5-Lilás do Metrô – Zona Sul de São Paulo
Classificação: 14 anos

Debate: “Por uma pedagogia sexual” – Com Paula Beatriz e Mayra Lourenço – Mediação Fabito Figueiredo
Quando: Quinta-feira (19), às 20h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: Livre

Performance Glitter
Quando: Sexta (20), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: Livre

Peça de teatro Pau Nu Ku
Quando: Sábado (21), às 21h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 18 anos

Oficina de Stiletto – Dança com salto alto – Com Rafael Rodrigues
Quando: Quinta-feira (26), às 20h
Onde: Galpão Cultural Humbalada

Performance Contar os corpos e sorrir?
Quando: Sexta (27), às 13h
Onde: Em frente ao Terminal Grajaú
Classificação: Livre

Show de Shanawara
Quando: Sábado, 28 de março, às 22h
Onde: Galpão Cultural Humbalada
Classificação: 16 anos

Mais informações no site do evento