Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2009 / 06 / Parada LGBT quer atuar em todos setores sociais

Parada LGBT quer atuar em todos setores sociais

Com o lema “Menos homofobia, Mais Cidadania”, evento deve reunir 3 milhões de pessoas em torno de 20 trios elétricos
por anselmomassad publicado 10/06/2009 15h23, última modificação 12/06/2009 10h15
Com o lema “Menos homofobia, Mais Cidadania”, evento deve reunir 3 milhões de pessoas em torno de 20 trios elétricos

A 13ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo deve levar 3 milhões de pessoas à avenida Paulista neste domingo (14). Com o lema “Menos homofobia, Mais Cidadania”, a Associação da Parada do Orgulho LGBT (APOLGBT) ampliou as ações e programa 20 trios elétricos temáticos, que vão parar pelo caminho para chamar a atenção do público. O foco do movimento de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros é promover intercâmbio com outros setores da sociedade na luta por igualdade de direitos, entre eles a aprovação da parceria civil.

O evento começa às 12h no vão livre do Masp, na avenida Paulista, e segue em direção à Praça Roosevelt, na rua da Consolação, onde deve ser encerrada por volta das 19h30. A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOLGBT), organizadora do evento, espera um público de 3,5 milhões de pessoas.

“Queremos atuar em todos, porque estamos em todos”, ressaltou Manoel Zanini, coordenador geral do evento em entrevista coletiva. “Se há números que realmente nos interessam são os da redução dos crimes de homofobia, da redução das agressões, suicídios de adolescentes LGBT e das apologias contrárias à igualdade de direitos”, pontuou

Alexandre Santos, o Xande, presidente da APOLGBT, destacou a importância de pressionar o Congresso Nacional a aprovar a proposta de lei complementar que torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero (PLC-122/06). O evento pretende chamar atenção para a campanha contra a homofobia (www.naohomofobia.com.br).

São esperados 400 mil visitantes na cidade, dos quais 70% vêm de cidades do interior, 25% de outros estados e 5% de fora do país. Ao todo, a Parada movimenta R$ 189 milhões, o que a coloca como segundo evento mais importante economicamente para a cidade.

Simpatizantes em alta

Pesquisa realizada pela Empresa de Turismo da Cidade de São Paulo (SPTuris), indica que a Parada LGBT tem presença cada ano maior de mulheres e de pessoas que se declaram heterossexuais. As mulheres passaram de 34% para 47% do total dos 3,5 milhões de participantes de 2008. Entre os 1,1 mil entrevistados, 40% se declararam heterossexuais em 2008, contra 33% em 2005.

Novidades

Assim como em outros anos, a manifestação está inserida em um mês de eventos e debates sobre sexualidade e luta contra a homofobia. Os recursos do 13º Mês do Orgulho LGBT permaneceram nos mesmos níveis de 2008, com R$ 760 mil mais R$ 350 mil administrados pela Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual (Cads), da Prefeitura.

Apesar disso, a opção foi por inovar, ao ampliar para 11 o número de encontros do 7º. Ciclo de Debates, promovidos até o dia 19. O Prêmio Cidadania, em sua nona edição, foi separado das atividades da Feira Cultural. Os ganhadores do prêmio foram divulgados na semana passada. O Flash Festival da Diversidade na Música reuniu oito bandas. Confira o vídeo:

de studiointro no Vimeo.

 

 

registrado em: ,