Home Ambiente Governo libera mais 31 agrotóxicos. ‘É o PL do Veneno sendo executado’
na contramão

Governo libera mais 31 agrotóxicos. ‘É o PL do Veneno sendo executado’

Para geógrafa e pesquisadora Larissa Mies Bombardi, novos registros formalizados nesta semana indicam que, mesmo sem a votação, pacote que flexibiliza as regras sobre venenos está em ação
Publicado por Clara Assunção
13:33
Compartilhar:   
Arquivo EBC

De acordo com pesquisadora, escalada de aprovações tem sido acompanhada pela União Europeia

São Paulo – Como tem sido rotineiro no governo Bolsonaro, mais 31 agrotóxicos foram aprovados, como formalizou nesta terça-feira (21) o Ministério da Agricultura, ampliando para 197 o número de produtos autorizados apenas nos primeiros cinco meses deste ano. Embora o Pacote do Veneno, em tramitação no Legislativo, ainda não tenha sido votado, o incentivo maior ao uso de agrotóxicos é uma realidade, como avalia a pesquisadora do departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP) Larissa Mies Bombardi.

“O governo Bolsonaro está fazendo ele acontecer na prática”, alerta, em entrevista à jornalista Marilu Cabanãs, da Rádio Brasil Atual. Autora do Atlas de Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, Larissa afirma estar em curso no Brasil um projeto que elimina a histórica batalha entre o uso de agrotóxicos na agricultura e a agroecologia. “É o Ministério da Agricultura que tem dado a palavra final, e a gente tem visto essa escalada gigante de aprovações de novos produtos comerciais” lamenta.

A pesquisadora, que acaba de retornar do lançamento de seu atlas na Alemanha, confirma que o aumento constante na aprovação dessas substâncias tem sido acompanhado com preocupação por ativistas e pesquisadores da União Europeia, que analisam o estabelecimento de padrões internacionais para autorização de agrotóxicos.”O público europeu está sensível a essa discussão que se dá em termos da ética e da solidariedade, e também acho que eles estão preocupados com os alimentos que eles estão consumindo”, avalia Larissa.

Confira a entrevista na íntegra