Home Ambiente Justiça aceita acordo que livra Chevron de pagar indenização por vazamento no Rio
Pizza

Justiça aceita acordo que livra Chevron de pagar indenização por vazamento no Rio

Os vazamentos no Campo de Frade implicarão em punições inferiores a R$ 150 milhões para a petrolífera norte-americana: menos de 1% do valor pretendido pelo Ministério Público
Publicado por Redação RBA
17:17
Compartilhar:   
Rafael Andrade/Folhapress
chevron-rio-2011-rafael-andrade-folhapress.jpg

Alvo de manifestações após vazamento, Chevron tem sido beneficiada pela justiça

São Paulo – A Justiça do Rio de Janeiro homologou o acordo firmado em 13 de setembro pela petrolífera norte-americana Chevron, pela perfuradora norueguesa TransOcean e pelas autoridades brasileiras. O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) proposto pelo Ministério Público Federal (MPF) era uma tentativa de fazer com que as empresas se eximissem de responder civil e criminalmente por dois vazamentos ocorridos no Campo de Frade, na Bacia de Campos, jazida do litoral fluminense. Ocorridos em novembro de 2011 e março de 2012, os derramamentos lançaram ao meio ambiente marinho ao menos 3,7 mil barris de petróleo.

De acordo com a Agência Efe, o juiz Raffaele Felice Pirro, da primeira sala da justiça federal do Rio de Janeiro, fixou em sentença, na semana passada, o acordo pelo qual a companhia petrolífera se compromete a adotar medidas para evitar novos acidentes que danifiquem o ecossistema. A decisão do juiz acabou suspendendo o processo civil movido pelo MPF logo após os vazamentos. Na época, os procuradores queriam que a Chevron pagasse duas indenizações de R$ 20 bilhões cada uma pelos danos causados não apenas à fauna e à flora marinha, mas também à formação geológica do Campo de Frade – o que poderia ter comprometido toda a jazida.

Leia também:

O TAC assinado em setembro determina que a petrolífera norte-americana terá de pagar apenas R$ 95 milhões em compensações socioambientais, além das multas de R$ 25 milhões e R$ 42 milhões que já havia destinado, respectivamente, aos cofres da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Não Renováveis (Ibama). No total, considerando-se o desconto de 30% que a empresa pode conseguir junto às autoridades, como ocorreu nas indenizações anteriores, os vazamentos no Campo de Frade implicarão em punições inferiores a R$ 150 milhões: menos de 1% do valor inicialmente pretendido pelo MPF.

De acordo com o Ministério Público Federal, porém, o processo criminal ainda está em curso. As empresas Chevron, TransOcean e 17 de seus diretores são acusados de responsabilidade no vazamento. De acordo com especialistas, o vazamento foi causado pelo empenho da companhia norte-americana em maximizar os lucros com a extração, deixando em segundo plano as preocupações – e os investimentos – com segurança e preservação ambiental. Atualmente, o processo se encontra nas mãos dos magistrados do Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região, no Rio de Janeiro. Não há previsão para a publicação da sentença.