Você está aqui: Página Inicial / Trabalho / 2012 / 05 / Chapa da CUT vê irregularidade em eleição no Sindicato dos Gráficos de São Paulo

Chapa da CUT vê irregularidade em eleição no Sindicato dos Gráficos de São Paulo

por Redação da RBA publicado , última modificação 03/05/2012 14h07

São Paulo – A eleição para a nova direção do Sindicato dos Gráficos de São Paulo começou ontem (2) com indícios de irregularidades, segundo o atual presidente da entidade, Márcio Vasconcelos, integrante da chapa da CUT. Conforme acordo entre militantes da Força Sindical e da CUT, com intermediação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, o pleito ocorre até sexta-feira (4), na sede da entidade e com urnas itinerantes em empresas da capital.

Segundo Vasconcelos, entre os itens do acordo chancelado no TRT que estariam sendo desrespeitados pelo grupo ligado à Força Sindical estão a presença de seguranças particulares no interior da sede do sindicato e descumprimento de trajeto das urnas e mesários que não pertencem à categoria. Vasconcelos está impedido de entrar na sede do sindicato desde agosto do ano passado, quando um grupo ligado à Força tomou o local na tentativa de impedir a filiação da entidade à CUT.

“O acordo é bem claro: os mesários têm de ser trabalhadores gráficos e os seguranças não podem ficar no interior da entidade. O trabalhador que está lá como mesário ou fiscal de chapa se sente intimidado ao se deparar com seguranças que portam armas no local”, criticou o sindicalista.

De acordo com o presidente da entidade, os trabalhadores da chapa cutista vão notificar o TRT amanhã (4) sobre o descumprimento do acordo. Eles também decidem se continuam no processo eleitoral que eles consideram fraudulento ou pedem anulação da eleição.

A reportagem tentou entrar, mas não conseguiu contato com lideranças da chapa ligada à Força, na sede da entidade e subsedes, até as 14h de hoje (3).

Cancelamento

Em 13 de abril, o TRT suspendeu eleição convocada por militantes da Força, atendendo a mandado de segurança impetrado pelo articulador da chapa ligada à CUT, Manoel de Almeida. Os trabalhadores da chapa tiveram registro impugnado pelos militantes da Força. O processo eleitoral estava marcado para os dias 17, 18 e 19 do mês passado.