Você está aqui: Página Inicial / Saúde e Ciência / 2018 / 02 / Gestão Doria desativa serviço de aborto legal do Hospital Jabaquara

Primeiro do país

Gestão Doria desativa serviço de aborto legal do Hospital Jabaquara

Inaugurado em 1989, Hospital Municipal Arthur Ribeiro Saboya foi pioneiro na realização do serviço e se tornou referência nesse tipo de assistência à mulher carente. Decisão é considerada política
por Redação RBA publicado 01/02/2018 10h02, última modificação 01/02/2018 12h51
Inaugurado em 1989, Hospital Municipal Arthur Ribeiro Saboya foi pioneiro na realização do serviço e se tornou referência nesse tipo de assistência à mulher carente. Decisão é considerada política
Reprodução/TVT
Aborto Doria

Complicações decorrentes de aborto clandestino são a quarta causa de morte materna no Brasil

São Paulo – O serviço de aborto legal do Hospital Municipal Arthur Ribeiro Saboya, conhecido como Hospital Jabaquara, na zona sul de São Paulo, foi desativado pela gestão do prefeito João Doria (PSDB) há pelo menos cinco meses. A Secretaria Municipal de Saúde alega aposentadoria dos profissionais que atuavam na equipe responsável para justificar o encerramento das atividades, mas há suspeitas de que se trata de uma decisão política, e que coloca em risco a vida das mulheres. 

"Uma mulher com melhor situação financeira consegue um aborto. O problema é que esse atendimento era voltado para as pessoas que não têm condições de pagar um aborto seguro", afirmou a conselheira de Saúde Ana Rosa Costa à repórter Michelle Gomes, para o Seu Jornal, da TVT

Inaugurado em 1989, durante a gestão da prefeita Luiza Erundina, o serviço do aborto legal no Hospital Jabaquara foi o primeiro no Brasil e na América Latina, e rapidamente se tornou referência. Atualmente o serviço é prestado em cinco hospitais na cidade de São Paulo, um para cada região. 

Desde 1940, o aborto legal é permitido em casos de gravidez decorrente de estupro ou quando coloca a vida da gestante em risco. Mais recentemente, em 2012, o aborto também passou a ser permitido nos casos de anencefalia – ausência parcial ou total de cérebro no feto. 

Segundo dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, as complicações decorrentes de aborto clandestino são a quarta causa de morte materna no Brasil. 

Irotilde Gonçalves Pereira, assistente social que fez parte da primeira equipe multidisciplinar do Hospital Jabaquara dedicada a realizar o procedimento, lamenta a suspensão. Segundo ela, durante os 28 anos de funcionamento, foram realizados cerca de 300 abortos legais, o que evitou o crescimento da mortalidade materna, principalmente entre as mulheres pobres.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: