Você está aqui: Página Inicial / Cidadania / 2017 / 06 / No Rio, moradores do bairro do Horto vivem ameaça de serem despejados

Jardim Botânico

No Rio, moradores do bairro do Horto vivem ameaça de serem despejados

Área fica atrás de um dos locais mais valorizados da capital Fluminense; governo alega que o bairro foi ocupado ilegalmente
por Redação RBA publicado 07/06/2017 12h12
Área fica atrás de um dos locais mais valorizados da capital Fluminense; governo alega que o bairro foi ocupado ilegalmente
Tomaz Silva/Agência Brasil
horto.jpg

PM tentou fazer de reintegração de posse no local em novembro do ano passado, mas enfrentou resistência dos moradores

São Paulo – Os moradores do bairro do Horto, na zona sul do Rio de Janeiro, correm o risco de serem despejados a qualquer momento. A área fica atrás do Jardim Botânico, um dos locais mais valorizados da capital Fluminense.

O governo federal alega que a região foi ocupada ilegalmente e que o espaço está catalogado como reserva ambiental, onde funciona o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

"Não tem problema nenhum, aqui não tem tráfico, não tem nada. As pessoas são pacíficas e preservam o lugar, sem destruir nada", afirma Wilson Miranda Marinho, morador do bairro, em entrevista à TVT.

O Instituto quer expandir suas pesquisas e para isso pede a saída dos cerca de três mil moradores do local.  "É uma ação estratégica para que nos dessem um território mais útil às atividades de pesquisas do jardim botânico e, ao mesmo, tempo permitisse que os moradores das bordas, permanecessem", explica o diretor do Jardim Botânico, Sérgio Besserman

A região tem cerca de 145 hectares, o equivalente a quase oito estádios do Maracanã. Dos 145, 57 são ocupados por pesquisas e cultivo de espécies do Jardim Botânico, que não tem seus limites oficialmente registrados no cartório de posses do Rio de Janeiro.

A última operação da Polícia Militar de reintegração de posse no local foi realizada em novembro do ano passado e enfrentou forte resistência dos moradores. Desde a ação, voluntários se revezam nas entradas do bairro para alertar os moradores sobre a chegada dos agentes.

Ouça: