Economia solidária

Lula visita fábrica no ABC que evitou fechamento ao organizar cooperativa

Uniforja foi criada há duas décadas pelos próprios trabalhadores, para manter operações da antiga Conforja: exemplo de que luta vale a pena, disse Lula

Fotos Ricardo Stuckert
"Eles resistiram ao fechamento, assumiram a fábrica e agora estão na luta mais uma vez contra o desmonte da indústria nacional", disse o ex-presidente e ex-metalúrgico

São Paulo – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou nesta quarta-feira (26) uma conhecida experiência de cooperativismo em Diadema, na região do ABC paulista. Ele esteve nas instalações da Uniforja, criada há 21 anos para evitar que a antiga Conforja fechasse as portas, deixando 600 funcionários sem emprego.

“Esses trabalhadores são exemplo de que a luta vale a pena”, disse Lula em rede social. “Resistiram contra o fechamento, assumiram a fábrica em cooperativa e agora estão na luta mais uma vez contra o desmonte da indústria nacional”, acrescentou o ex-presidente, que comandou o então Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo e Diadema de 1975 a 1981. O próprio Lula, quando presidente da República, citou a experiência da Uniforja como exemplo durante reunião do Conselho Nacional de Economia Solidária. Extinto em 2019, o Ministério do Trabalho tinha uma secretaria dedicada ao tema, comandada pelo economista Paul Singer.

Lula conversa com um dos trabalhadores: atualmente, Uniforja tem 205 cooperados e 98 funcionários contratados com carteira

O chamado Sistema Uniforja (Cooperativa Central de Produção Industrial de Trabalhadores em Metalurgia), que inclui afiliadas, ocupa uma área de 65 mil metros quadrados em Diadema. A Conforja foi para lá nos anos 1960, poucos anos depois da inauguração, em 1954, ainda no bairro paulistano da Mooca.

Para evitar o fechamento, há duas décadas, os trabalhadores percorreram um longo caminho na Justiça, com fornecedores e clientes, até viabilizar a operação, com apoio do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Atualmente, são 205 cooperados e 98 funcionários contratados com carteira assinada. Eles fornecem peças para diversos setores industriais. O número já foi maior, mas a história da Uniforja mostra sua capacidade de resistência e recuperação. Por isso, apresenta-se como a maior fabricante de anéis, flanges e conexões de aço forjado da América do Sul.


Leia também


Últimas notícias