Home Trabalho Número de greves por atraso no pagamento de salário cresceu no primeiro semestre
Efeito crise

Número de greves por atraso no pagamento de salário cresceu no primeiro semestre

Segundo o Dieese, no setor privado o atraso de pagamento foi o principal estopim das paralisações. No setor público, prevalece o reajuste salarial, mas menos do que em 2018
Publicado por Vitor Nuzzi, da RBA
09:18
Compartilhar:   
Ricardo Stuckert

Greve geral promovida pelas centrais sindicais em 2018: muitos motivos para cruzar os braços

São Paulo – A principal motivação para as greves no setor privado no primeiro semestre de 2019 foi o atraso no pagamento de salários, aponta levantamento elaborado pelo Dieese. De acordo com o instituto, 56,3% das paralisações foram deflagrados devido a atrasos salariais, ante 49,1% em igual período do ano passado. No funcionalismo público e nas empresas estatais, a principal reivindicação foi reajuste, mas em menor proporção se comparado ao ano anterior.

Segundo o Dieese, no setor privado, depois do atraso no pagamento, o segundo fator foi relacionado a alimentação: de 23,8%, em 2018, para 27,6% nos primeiros seis meses deste ano. São paralisações identificadas como “defensivas”, ou seja, para manter direitos. As greves por reajuste salarial passaram de 16,8% para 14,9%.

Os dados se relacionam com o levantamento relativo a todo o ano de 2018: 37,9% das greves realizadas tiveram como principal estopim o atraso no pagamento – de salário, férias, 13º ou do piso profissional. Em seguida, 37% das paralisações foram por reajuste salarial ou do piso.

De janeiro a junho deste ano, o Dieese registrou 529 greves no país, ante 899 em igual período de 2018. Foram 258 na esfera pública (funcionalismo e estatais) e 268 no setor privado, além de três envolvendo ambos. O número caiu neste ano, assim como já havia ocorrido em 2018 e 2017 em relação aos períodos imediatamente anteriores. Ao analisar o resultado do ano passado, o instituto já havia apontado “um novo momento” na realização de paralisações, a partir da piora nos indicadores de emprego e nos ganhos salariais.

“A ênfase defensiva da pauta das greves continua, mas observam-se importantes descontinuidades. As pautas reivindicatórias – que até então apresentavam crescente complexidade, com a adição, a cada ano, de itens reivindicatórios relativos a diversos aspectos da relação empregatícia – esvaziam-se e, muitas vezes, são reduzidas a uma só exigência, imediata, urgente, como no caso das frequentes mobilizações contra o atraso no pagamento de salários”, afirma o Dieese. “Assim, as informações reveladas pelas greves dos trabalhadores permitem resumir
a mudança dos cenários econômicos de 2012 a 2018 no contraste entre uma pauta reivindicatória complexa, crescente e inclusive defensiva, e a pauta atual – simples, reduzida e quase somente defensiva.”

De 500 para 1.400

O instituto também faz uma ponderação sobre a quantidade de greves no Brasil: “Apesar da diminuição da quantidade de greves realizadas desde 2017, o número registrado em 2018 (1453) ainda é expressivamente superior aos patamares verificados antes de 2013, quando ocorriam cerca de 500 paralisações ao ano”. Pela série histórica do Dieese, o recorde de greves é de 2016: 2.114. Os três anos anteriores registraram resultados próximos: 2.057 em 2013, 2.085 em 2014 e 1.964 em 2015. Este último resultado praticamente se repetiu em 1989, marcado por uma greve geral (1.962). De 1997 a 2012, o número oscilou entre 300 e 900.

Nas 236 greves no funcionalismo público registrados pelo Dieese no primeiro semestre, o principal fator foi reajuste salarial, ainda que em menor proporção: 53,4%, ante 57,4% em 2018. A reivindicação “condições de trabalho” aparece em segundo lugar, também caindo, de 26% para 23,7%, assim como plano de cargos e salários (de 22,5% para 19,5%). Já o item “atraso” no pagamento aumentou de 14,6% para 17,4%. Quase 73% das greves foram no âmbito municipal.

Entre as empresas estatais, com 22 paralisações, o reajuste salarial segue figurando como principal fator, com 22,7%, bem menos do que em 2018 (34,1%). E o item alimentação subiu de 11,4% para 31,8%.