Home Trabalho Metalúrgicos protestam contra reformas: ‘Queremos mostrar os traidores do povo’
Mobilização

Metalúrgicos protestam contra reformas: ‘Queremos mostrar os traidores do povo’

Categoria fez manifestações pelo país, com passeata no ABC e assembleias na capital paulista
Publicado por Redação RBA
15:20
Compartilhar:   
Sind. Met. ABC
Metalúrgicos

Em São Bernardo do Campo, ato foi em frente à sede do sindicato, seguido de passeata até o centro da cidade

São Paulo – Metalúrgicos de várias regiões, a exemplo de outras categorias, protestam nesta sexta-feira (30) contra as reformas da Previdência e trabalhista e contra a lei da terceirização irrestrita de mão de obra. No ABC paulista, os trabalhadores fizeram ato diante do sindicato, em São Bernardo do Campo, seguido de passeata pela Rua Marechal Deodoro, no centro da cidade. Na base do sindicato de São Paulo, foram organizadas manifestações em todas as áreas da capital, além de Mogi das Cruzes e região.

“Cresceu muito o repúdio ao governo Temer. Agora, as manifestações são espontâneas”, relatou o presidente do sindicato de São Paulo e da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos (CNTM, ligada à Força Sindical), Miguel Torres. “O pessoal procura a gente pra expor sua opiniões. Isso é importante, porque vai acumulando um sentimento forte contra tudo o que está aí”, acrescentou o dirigente, que também é vice-presidente da Força. 

“Nossa insatisfação foi colocada no Brasil todo, com atos, paralisações, vários tipos de mobilização”, afirmou o presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM-CUT), Paulo Cayres. “Estamos trabalhando para reprovar essas reformas, que eles querem fazer a toque de caixa.”

Segundo ele, um aspecto importante das atividades “é mostrar a cara dos traidores do povo”, referência aos parlamentares favoráveis às propostas do governo. O dirigente destaca a rejeição às reformas, demonstrada em pesquisas, e lembra da proximidade das eleições. “Queremos restabelecer a democracia e vamos continuar intensificando os movimentos.”

 

Leia mais: