no golpe

Temer nomeia para Fiocruz candidata derrotada em eleição de funcionários

Escolha do ministro da Saúde pelo segundo nome em eleição para a presidência da instituição rompe tradição de respeito pela escolha da comunidade científica

divulgação
fiocruz_fachada.jpg

Fiocruz: presidência é escolhida por eleição direta junto a seus trabalhadores, pesquisadores e professores

São Paulo – O ministro da Saúde, Ricardo Barros, escolheu a segunda colocada em eleições para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, e provocou revolta entre a comunidade científica e profissionais da Saúde. A escolha rompe a tradição do respeito à soberania do voto nas instituições que realizam processo seletivo para seus gestores.

Há 25 anos a presidência da Fundação Oswaldo Cruz é escolhida por eleição direta junto a seus trabalhadores, pesquisadores e professores. De 23 a 25 de novembro, 4.415 servidores de todas as unidades no Brasil elegeram Nísia Trindade, atual vice-presidente de Ensino, Informação e Comunicação, para o mandato 2017-2020. Nísia recebeu 2.556 votos em primeira opção, ou seja, 59,7%. Em segundo lugar, ficou a doutora Tania Araújo-Jorge, pesquisadora e ex-diretora do Instituto Oswaldo Cruz (IOC). Obteve 1.695 votos em primeira opção (39,6%). Houve um comparecimento às urnas de 82,1% da comunidade.

O presidente da Fenafar e do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira dos Santos, afirmou que a decisão fere a vontade soberana do corpo funcional da Fiocruz que há anos escolhe seus gestores de forma participativa, democrática e transparente. “Os instrumentos de participação social são indispensáveis para o desenvolvimento e fortalecimento das nossas instituições”, disse.

“Na Fiocruz, um destes instrumentos é a voto da sua comunidade para a escolha de seus gestores. Isso se dá a partir de uma debate interno, com base em propostas de aprimoramento das políticas e ações da gestão para impulsionar e manter a Fiocruz como um das instituições de referência em pesquisa de Saúde no mundo. Essa decisão é uma verdadeira ameaça a nossa mais bem sucedida experiência de atuação nas ciências da saúde que é a Fiocruz. É a mais cruel evidência da ação de traidores da pátria”, afirmou.

O atual presidente da instituição, Paulo Gadelha, afirmou que a decisão de nomear a segunda colocada “criou uma comoção intensa em todas as áreas em que a Fiocruz trabalha. Deveria ser um processo natural do presidente Temer e do ministro Barros de reconhecer que a Fiocruz tem demonstrado maturidade no processo de seleção da presidência”.

Com informações da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar)