Revista Fórum

Lula: ‘Povo sabia que Bolsonaro não gosta de preto, de mulher, e votou mesmo assim’

Em entrevista à “Fórum”, ex-presidente Lula diz que quer ser “cabo eleitoral de algum companheiro” em 2022 e fala em “resgatar” as pessoas para a democracia.

Reprodução
Durante pouco mais de duas horas, ex-presidente Lula respondeu às perguntas de jornalistas e especialistas em diversas áreas

São Paulo – Para marcar os 19 anos da revista Fórum – que nasceu junto com o primeiro Fórum Social Mundial, em 2001, em Porto Alegre – o programa Fórum Onze e Meia entrevistou na manhã desta sexta-feira o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Conduzida pelos jornalistas Renato Rovai e Dri Lorenzo, diretor e editora-executiva da revista, a entrevista reuniu outros especialistas em diversas áreas. Na entrevista, Lula falou sobre democracia, o futuro do PT, do Brasil e das esquerdas no país, o governo Bolsonaro, a perseguição jurídico midiática de que foi vítima nos últimos anos com a Lava Jato.

“O povo sabia que o Bolsonaro não gostava de preto e votou nele mesmo assim. Sabiam que ele não gostava de mulher e votaram mesmo assim”, disse o ex-presidente. “Temos que conversar com as pessoas que embarcaram no discurso do Bolsonaro e tentar reeducá-las. Trazer elas de volta pra democracia”, ressaltou.

“Inventaram que a tal da carteira verde e amarela era pra gerar emprego, agora estão inventando essa reforma administrativa. Cada dia eles vão inventando alguma coisa e assim segue a política de desmonte”, afirmou, sobre o governo Bolsonaro.

Candidatos

A escolha do candidato pelo PT para a eleição presidencial de 2022 vai depender do cenário político do Brasil, avalia Lula. “Não vejo sinais de melhora, não sou desses que acha que Bolsonaro vai cair. E não vejo a possibilidade de o Brasil melhorar com Bolsonaro”, afirmou. Ao ser questionado sobre ele ser o nome do PT, respondeu: “Eu gostaria de trabalhar como cabo eleitoral de outro companheiro”.

Lula foi diplomático na entrevista ao mencionar o ex-candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, e o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). “As pessoas pensam que eu tenho divergências profundas com o Ciro Gomes. A gente tem mais divergência pelo jeito de se comportar. Eu sempre disse publicamente que eu tenho respeito pelo Ciro. Ele sempre foi muito leal ao meu governo, apesar das divergências pontuais que temos. E temos que aprender a conviver com elas. O Ciro não precisa gostar de mim e eu não preciso gostar dele, nós temos que nos respeitar”, disse.

E afirmou que os governadores do PT também estão qualificados para disputar as eleições. “O Flávio Dino está qualificado para ser candidato, o Ciro está qualificado. Como eu vou dizer que não? Mas não posso dizer que Haddad não dá, que meus governadores não estão.”

O petista elogiou ainda a deputada federal Marília Arraes (PT-PE) . “Ela está preparada para ganhar as eleições. Estou muito feliz com a candidatura. Ela é o retrato da mulher ocupando seu espaço sem pedir licença. A Marília é porreta, boa de briga. E o Recife tem muito forte a marca do PT.” A deputada foi sacada da disputa para o governo de Pernambuco, em 2018, quando liderava as pesquisas. Na ocasião, a articulação tinha como alvo o apoio do PSB ao PT.

Operação Lava Jato

O ex-presidente Lula chamou o procurador Deltan Dallagnol de fujão. No início da semana, Dallagnol deixou o cargo de coordenador da força-tarefa da Lava Jato, depois de ter as denúncias contra ele arquivadas pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). E que agora são alvo de recurso. Em vídeo nas redes sociais, o procurador alegou que precisava de mais tempo com a família devido a doença da filha.

“Me perdoe, mas o Dallagnol se esconder atrás de uma doença, da filha dele, para poder justificar a saída…”, criticou Lula. “Se ela estiver doente, que Deus a ajude, porque eu tenho pela filha dele o respeito que ele não teve pelo meu neto que morreu com 6 anos de idade. Quero que ele saiba disso. Mas ele não merece um milímetro de respeito. Não tem dignidade, não tem caráter. É fujão”, completou o ex-presidente.

“Tem político neste país que não submerge quando tem crítica. Eu gosto de aparecer para mostrar quem está mentindo. Hoje está provado que o (ex-juiz Sergio) Moro foi mentiroso. Hoje está provado que o Dallagnol foi mentiroso”, disse Lula, durante a entrevista, ao condenar a cobertura da TV Globo e a operação Lava Jato, que, segundo ele, buscaram destruir a sua imagem e o Partido dos Trabalhadores.

Na entrevista, Lula fala do futuro

Os novos governos do PT, de acordo com o ex-presidente Lula, não podem ter medo de chamar o povo para decidir seu futuro. “Temos que pensar no futuro da população. Como vai ser o emprego depois da pandemia. Se depender desse governo, não precisa mais de previdência, carteira profissional, a CLT”, advertiu.

Para Lula, pensar no futuro é criar um novo discurso e não ter medo de envolver a sociedade. “Não tem que ter medo de chamar a juventude pra discutir política. Temos que aceitar esse desafio e colocar a juventude. Não temos que ter medo de ouvir a juventude, pois em várias coisas eles sabem mais do que nós.”

entrevista lula

Com informações da Revista Fórum, que estreou novo portal

Edição: Cláudia Motta